21
MAI
Cadê o plano B de jogo da Ponte? Por que Ravanelli ficou em campo na derrota para o Bota?

Outrora dizia-se que perder para o Botafogo no Rio de Janeiro era um resultado normal. Hoje, pode-se dizer com segurança que não há disparidade técnica do time carioca em relação à Ponte Preta. Logo...

Ora, se são equipes que praticamente se equivalem, por que a Ponte Preta perdeu na noite deste domingo por 2 a 0, em partida realizada na Arena Nilton Santos, o Engenhão, pelo Brasileirão?

O Botafogo criou três chances ao longo da partida e converteu duas. A Ponte teve duas chances reais e não conseguiu aproveitá-las.

Se o chute forte de Lins foi bem defensivo pelo goleiro Gato Fernández, Lucca perdeu gol feito, cara a cara com o goleiro, ao chutar a bola em cima dele.

As mingadas chances de gols se explicam pelo estilo de jogo bem parecido de ambas equipes, que optaram pela marcação de meio-campistas atrás da linha da bola, e assim os espaços ficaram bem fechados dos respectivos lados.

Houve, portanto, prevalecimento da marcação.

O Botafogo, por ter feito o gol aos 20 minutos do primeiro tempo, em lance de rara felicidade do volante Bruno Silva, ao aproveitar rebote do time pontepretano, pôde se precaver mais, e assim imaginar que pudesse explorar eventuais contra-ataques.

Isso apenas ocorreu no segundo tempo, ora por erros de passes, ora por perdas de bola infantilmente de jogadores da Ponte.

SEGUNDO GOL

Numa dessas escapadas, aos 20 minutos daquele período, Guilherme foi acionado na esquerda e habilmente explorou falha de posicionamento de meio-campistas pontepretanos que não acompanharam o volante Rodrigo Lindoso que, ao receber o passe, finalizou de fora de área e sacramentou a vitória botafoguense.

Acrescente que o Botafogo só não transformou o placar em goleada porque o goleiro Aranha praticou duas defesas consecutivas à queima-roupa em finalização de Guilherme.

De posse de bola, o time da Ponte é condicionado a valorizá-la, e procura rodá-la até pacientemente em busca da brecha fatal para finalizar.

Só que diante de um adversário que colocou em prática forte marcação, a boleirada da Ponte sucumbiu.

CADÊ O PLANO B?

Depreende-se disso a falta de um plano B para que a Ponte Preta coloque em prática diante de tal cenário.

Cadê aquelas ultrapassagens dos laterais para chegada ao fundo de campo, e o cruzamento para jogadores que chegam de trás? Nessa característica, eles ficam de frente para o gol adversário.

De certo essas jogadas sequer são treinadas. Se fossem, o pontepretano não contaria nos dedos de uma mão quantas vezes ela foi executada.

Adianta optar, no desespero, pelo centroavante Yuri, após o intervalo, se a bola é cruzada da intermediária ou, no máximo, no prolongamento da grande área?

Afora isso, faltou leitura de jogo adequada ao treinador Gilson Kleina, da Ponte.

Se o volante Jadson não acrescentava no plano de criatividade, pelo menos dava cobertura para que o lateral-direito Nino Paraíba atacasse seguidamente.

Jadson deu lugar a Yuri após o intervalo, sendo que quem deveria ter sido sacado seria o irregular meia Ravanelli, que abusava do direito de errar. Seria uma troca pura e simples por Xuxa.

Aí novo erro de substituição no segundo tempo. Ao optar pela entrada de Xuxa aos 17 minutos, Kleina sacou o atacante Lins. De certo raciocinou que não poderia tirar Ravanelli - com maior capacidade de recomposição - para não deixar o time exposto. Só que ruim com Lins, pior sem ele, pois o time sucumbiu ofensivamente.

LUCCA

Há algum tempo tenho afirmado que a postura do atacante Lucca de apenas fazer a diagonal quando recebe a bola pelo lado esquerdo está manjadíssima.

Sabe quantas vezes ele chegou ao fundo de campo? Nenhuma. Essa versatilidade precisa ser treinada e cobrada do jogador, para que não continue presa fácil a marcadores.

Enfim, a Ponte está se reorganizado com perda de atacantes. É válida a aposta em Negueba, que participou de algumas partidas convincentes no Grêmio, com jogadas de velocidade.

Emerson Sheik é outro que ainda está se condicionando para estrear, na expectativa que acrescente no time pontepretano.

  • Eugenio
    23/05/2017 14:48

    Marcio, vc tem razão, o Guarani hj é uma sombra do que foi no passado e não vejo muitas perspectivas; a aapp se consegue manter na elite mas sem empolgar. Futebol é $$, e sem a bufunfa não se monta um bom time; até com dinheiro não se tem a garantia de um bom time, imagine sem. Hj em Cps, na preferencia dos torcedores, aapp e gfc vem depois dos 4 grandes de SP.

  • João da Teixeira
    23/05/2017 09:42

    Tem gente escalando o Cajá? Está com coragem, hein? O Cajá é time de série B e olha lá. Sou mais Xuxa do que o Cajá. Gastaram vela com mau defunto ao meu ver. É bem a cara desses dirigentes da Ponte. Na 2ª saída do Cajá, ele já estava com a validade vencida. Agora, tomar "remédio amargo e de validade vencida" é pedir para "morrer" na A. Continuamos a "pão com banana" nesse nosso meio campo e, pelo preço que a banana está, poderá até estar pão com pão ou pão com língua...

  • Marcelo Macaco MPPL / Nikao da macaca
    22/05/2017 22:59

    Nikao a diretoria não trará o Eduardo Baptista de volta pois um dos motivos de sua saída foi a inexistência de ambição para ser campeão,ele não admitiu ser técnico de um time apenas "barriga de aluguel" ,é que infelizmente teria que "escalar " os jogadores de "EMPRESÁRIOS" e Elenko Sport por imposição,o Eduardo queria ser campeão a diretoria não...e claro não serei demagogo ,o salário que o Palmeiras ofereceu foi só mais um motivo

  • Cabeça
    22/05/2017 22:58

    Tio LEI, não vejo o Sheik jogando na beirada, entendo que o time que deveria ser treinado, logicamente com todos tendo condições, seria: Aranha, Nino, Marlon, Rodrigo, Joao Lucas, Bob, Helton, Cajá, sendo que no ataque teremos o Luca pela esquerda, o Negueba pela direita, sendo que os dois voltando para marcar os laterais e na frente o Sheik voltando no máximo até o meio campo.

  • marcio
    22/05/2017 22:57

    Ari, assim como todos, estou envelhecendo e hoje, com quase cinquenta anos, recordo-me daquela época em que tínhamos duas equipes invejáveis na cidade. Hoje , a discussão é em torno de quem é menos ridículo e os jargões são sempre os mesmos:"nunca serão", "nunca subirão", "galinhas falidas", 'sempre cairão", "vergonha de Campinas", "quando papai Carnielli morrer..". É tudo muito tosco. É de se lamentar o que viramos

  • João da Teixeira
    22/05/2017 22:56

    Pseudo passividade? Vejo vcs digladiarem todos os dias e fico na minha, lógico que faço comentários irreverentes contra o bugre, mas isso não quer dizer que há ódio nos meus comentários ou coisa parecida. Tenho bons amigos bugrinos e não supro ódio por ninguém, muito pelo contrário. Como falei, se vc acha que a Ponte é um bem necessário, ótimo. Para mim o bugre pode até ser um mal necessário, mas um mal, não um bem. Acho que vc entendeu mal a colocação. Agora, pseudo fleuma?

  • JHON ( ESPECIAL PARA PABLO )
    22/05/2017 22:56

    Pablo ??? Qual é a música ?? kkkk . Vc disse : E viva o Batatais, é isso mesmo ??? Eu digo : E viva a Portuguesa Santista !!! E viva o Corinthians !!! ( De Pablo ) ( de Basílio tb ) kkkkk VIRGENS !!!! KKKKK . Foi o máximo ver a cara de M _ _ _ _ de vcs após o jogo kkkkkkkk.

  • Marcio
    22/05/2017 20:00

    Lamentável Ari, uma pena que o espaço dos comentários tenha virado um espaço para se destilar RECALQUES E ÓDIO, com exceções, como por exemplo o Tio Lei que apesar de momentos raivosos, tem uma postura mais sincera e mais honesta. Agora o Sr. hein seu João com toda sua pseudo fleugma, no final lamentavelmente acaba jogando TODA MER... no ventilador e o comentário desse "Pablo" merece ser ignorado de tão ridículo ....

  • DE ARI PARA PAULO SÉRGIO
    22/05/2017 19:59

    Prezado Paulo Sérgio, vi o Negueba jogar apenas uma vez e correspondeu. Mostrou ser jogador rápido pelo lado esquerdo. Logo, é válida a aposta. Todavia, seria prudente que dirigentes da Ponte Preta contratassem um atacante de beirada já consolidado no mercado brasileiro. Skeik já não tem velocidade para executar esse papel.

  • Paulo Sergio p/ Ari
    22/05/2017 19:52

    Caro Ari, muito boa sua leitura e comentário sobre plano "B" Agora gostaria por favor que você comentasse sobre Negueba, sua opinião tanto como jogador quanto posição a jogar. Grato.

  • Eduardo para João teixeira
    22/05/2017 19:51

    Desculpe João Teixeira mas a associação não exemplo para ninguém,muito menos para o bugre. .....Pelo contrario a associação deveria seguir exemplo do bugrao e ser ao menos campeão 1 vez na vida...O resto é conversa...Título é que conta sempre...Nesse sentido associação está sempre atras

  • Nikão da macaca
    22/05/2017 19:51

    Prezado Ari, para mim, Kleina ainda não disse a que veio, no Paulista só manteve o que Felipe e Brigatti e até ontem não vi nenhuma jogada ensaiada, nenhum escanteio ensaiado, nenhuma falta ensaiada, nenhuma estratégia de jogo, continua na mesmice, para mim Ravaneli deveria ser mantido, quem tem que sair é o Lucca que não faz nada a muito tempo. Mas eu, se fosse da diretoria buscaria o Eduardo Batista de volta, havia padrão de jogo conforme o adversário e jogadas ensaiadas

  • Mar
    22/05/2017 19:40

    Caro Paulo Sergio... os comentarios do Eduardo sao profundos, ele comeu muita cenoura e mandioca quando era pequeno... por isso ele tem essa profundidade!!!

  • Eugenio
    22/05/2017 19:40

    P. Sergio então qdo vc se orientar pelas estrelas vai parar no Brinco, guiado pelas nossas duas estrelas de campeão !!! kkkkkkkk

  • João da Teixeira
    22/05/2017 15:12

    Marcelo, como bugrino que é, e afirmando que: "..falo isso porque nao gosto da ponte, mas, ela e um bem necessario , pra nos e vice e versa...". Bom, o vice e versa ficou por sua conta, porque para nós pontepretanos, o Gfc poderia ser até um mal necessário, uma sombra, que seria salutar. O grande problema é que com essa dívida, dificilmente vcs. irão novamente fazer sombra ao time da Ponte, o que é péssimo não ter essa pressão do vizinho. Só se o RBB resolver fazer pressão...

« Anterior : [ 1 ] 2 3 : Próxima »
20
MAI
Falhas pontuais mancham impressão que poderia ser favorável na derrota do Guarani

Por mais paradoxo que possa parecer, o conjunto do Guarani não deixou impressão negativa para ter saído derrotado pelo Santa Cruz por 2 a 1, na tarde deste sábado em Recife, pela segunda rodada do Campeonato Brasileiro da Série B.

Por isso, foi um castigo ter perdido o jogo. Após um primeiro tempo equilibrado, com alternância de jogadas ofensivas, o Guarani dominou a maior parte do segundo tempo, ocasião que pressionou e o adversário se defendeu como pôde.

Ora, então por que perdeu?

Sofreu dois gols por falhas pontuais de jogadores.

A rigor, o zagueiro Diego Jussani falhou em ambos os lances.

No primeiro gol do time pernambucano, logo aos quatro minutos, o primeiro a falhar foi o lateral-esquerdo Eron, ainda sem ritmo de jogo, e envolvido na tabela dos jogadores André Luís e Nininho.

Aí, no cruzamento do fundo de campo, Jussani, Genílson e o goleiro Leandro Santos ficaram olhando o atacante Halef Pitbull só empurrar a bola pra rede.

OUTRA PIXATADA

No gol da vitória do Santa Cruz, a primeira pixotada foi do atacante Caíque, que defendendo pelo lado direito escorregou, errou o passe, e a bola se ofereceu para o lateral Thiago Costa, que cruzou visando a penetração do atacante Ricardo Bueno no segundo pau. Jussani perdeu o tempo de bola, Bueno testou e ‘caixa’.

Assim, de nada vai adiantar dissertação favorável sobre o comportamento geral do Guarani enquanto o time contar com o vulnerável zagueiro Jussani, que falhou num terceiro lance agudo do Santa Cruz, quando sequer conseguiu matar a jogada com falta num contra-ataque, na disputa direta de bola com Halef Pitbull.

Por sorte do bugrino, Pitbull perdeu gol incrível, propiciando a defesa de Leandro Santos.

COMPACTAÇÃO

No mais, foi visto o time bugrino bem compactado em campo, rodando a bola e tentando infiltração contra a defesa adversária.

Aí tem que ser valorizado o forte esquema de marcação imposto pelo Santa Cruz. Apesar disso, nas ocasiões em que a jogada ‘clareou’, o Guarani teve seus arremates travados por adversários.

Afora isso, o atacante Claudinho poderia ter marcado ainda no primeiro tempo, mas propiciou defesa do goleiro Júlio César, que posteriormente praticou defesa difícil em finalização do meia Juninho, artífice de boas jogadas. Logo, por justiça deve garantir a titularidade na equipe ao lado de Bruno Nazário.

ELIANDRO

O gol de empate do Bugre, marcado novamente pelo centroavante Eliandro, aos 34 minutos do segundo tempo, contou com falha do goleiro Júlio César, mas foi anotado no estilo guerreiro de trombar, não desistir da jogada e empurrar a bola à rede.

É necessário que se considere que o Guarani ainda não está colocando em campo o time ideal. Ainda faltam jogadores para estrear, o principal deles o polivalente Richarlyson.

Logo, o crescimento gradativo do time bugrino indica tendência de desembocar na previsão inicial feita pelo treinador Oswaldo Alvarez, o Vadão, de manutenção na Série B.

  • Eugenio
    22/05/2017 15:11

    Roberto, alem de Jussani, Genilson e Lenon tbm não são confiaveis, talvez com o Everton Pascoa melhore, e precisa voltar o Denis Neves. Pra continuar assim poe o Leo Rigo na zaga.

  • Roberto
    22/05/2017 12:19

    ESSE JUSSANI É MUITO RUIM, OUVI FALAR Q O DOMINGOS ESTÁ VOLTANDO, TOMARA, ESSE CARA DEVE TER COMEÇADO EM ALGUMA EQUIPE AMADORA POIS NÃO TEM O MENOR SENSO DE COLOCAÇÃO.

  • marcelo
    22/05/2017 11:56

    caroa amigos dessa coluna... e so apertar, que a eguinha mija pra tras, se afasta..... parecem baratas, somem, e so ganhar um jogo, voltam.....abanando o rabo. nao e assim que se torce...so nos momentos de alegria..... sabe que alegria voces tem pouco, agora vira, galo, depois o sao paulo....moleza, esquece... entao perdemos um amigo. caro tio lei, apesar das nossas divergencias, gosto dos seus comentarios.... estamos carentes de humoristas, na tv. abraço

  • João da Teixeira
    22/05/2017 11:55

    Ultimamente, quem vem fazendo estragos pelas cidades é a torcida bugrina. Sabe essa discussão besta de quem tem mais torcida e que não se chega a lugar nenhum? Pois é, nesse quesito de delinquência, a torcida bugrina não tem adversários. Vide a quantidade de ocorrências com punições: Ribeirão, Varginha, Rio Claro, Batatais, sem contar as de Cps, onde a frequência é muito maior e o HS só ressarcindo danos, time jogando de portões fechados, PM enjaulando etc. Não tem comparação!

  • Eugenio
    22/05/2017 10:21

    Caro Tio Lei, creio q vc e outros q aki escrevem fazem parte da parcela civilizada. Toda torcida tem delinquentes, é q o % desses elementos na torcida da aapp é bem alto, e isso é um fato q pude constatar durante anos acompanhando os campeonatos, derbis, etc; é uma pena mas é verdade, a aapp não merece esses torcedores.

  • João da Teixeira
    22/05/2017 10:16

    Eu tenho uma teoria, baseada nas sábias informações de minha saudosa mãe, que hoje se tem delinquentes em todas as classe sociais. A falta da mãe no dia a dia, devido a mesma ter a necessidade de ir a luta, na maioria das vezes, mas que há outras que vão trabalhar para massagear o seu ego com as cantadas, ou porque trabalhar fora é mais divertido do que os trabalhos doméstico e de educar filhos. Só sei que tem filhos aqui no blog, que tem que reciclar a educação.

  • Eugenio
    22/05/2017 10:12

    Tchau Tio Lei, ja vai tarde, vai la ver jogo da associação. Limite-se a comentar jogos dos virgens e suma daki, não estamos interessados nos seu comentários e os do P. Sergio tbm.

  • TIO LEI P/ ARIOVALDO ISAC (1)
    22/05/2017 00:39

    É Ari. Tenho meus erros e os assumo. Tentaram me passar uma reprimenda quando chamei um elemento de burro, mas eu o fiz ver, que este tipo de adjetivo, me é dirigido constantemente. Agora nos chamam de delinquentes. As regras que você impôs, foram sempre quando ofendemos os bugrinos a altura daquilo que eles VINHAM NOS OFENDENDO anteriormente (tipo: caquinha x glórinha). Avise quele cidadão, que delinquente eu seria se tivesse nascido no seio da mesma família que ele...

  • TIO LEI P/ ARIOVALDO ISAC (2)
    22/05/2017 00:38

    cont... Como já disse, sou HOMEM o bastante para reconhecer meus erros, por isso mais uma vez, peço desculpas aos demais bugrinos a quem eu tenha ofendido, mas a continuar desse jeito, esse elemento sem berço estará usando de formas apelativas bem piores. Já não mais leio postagens do eduardo, por motivos menos apelativos. E mais uma vez, como forma de apresentar meus protestos, deixarei de participar do blog por uns tempos. Aos PONTE PRETANOS que CONTINUAM, deixo um abraço..

  • Eugenio
    21/05/2017 22:00

    Não entendo pq a torcidinha virgem de delinquentes e analfabetos vem aki dar pitaco, vai comentar jogo da associação, afinal se julgam tão superiores. Ari, vc tem razão em criticar o Jussani, e incluo tbm o Genilson e o Lenon os tres são muito ruins. Muda logo Vadão ! E kd o Denis Neves ?!?

  • JHON
    21/05/2017 21:59

    Já estão em 9º colocado chupaaaaa macaca

  • JHON
    21/05/2017 21:59

    Para chegar ao 12º e um passo é só esperar a próxima rodada kkkkkk. Qual será o objetivo do técnico de vcs heim ? kkkkkkk

  • Eduardo para Paulo sergio
    21/05/2017 21:59

    Mantenho o que digo sobre você....Só que agora rindo muito mais de vc depois desse desastroso domingo...Eternos coadjuvantes....Jamais serão....Aliás,vc deve fazer parte dos 4 mil carinhas que vão ao campo , como disse o seo Vanderlei ?...Mais ,mais....Quero ouvir mais comenta dos aapretanos.. Kkkkkkkk....Só rindo

  • Eduardo
    21/05/2017 14:40

    Se o seu Vanderlei presidente dá aapetanos fals EA torcida dos 3 mil carinhas pk dar ouvidos a um asno que fala dá maior ....Kkkkk...Do interior.....Só rindo com sempre

  • Denilton GFC
    21/05/2017 14:39

    Caro Ari: Derrota previsível do GFC, porém NÃO PREOCUPANTE o time está com o jeito do VADÃO, compacto e com posse de bola. A realidade do GFC é esta entre oitavo e décimo quarto na tabela. SEM ILUSÃO de acesso. O GFC necessita se estruturar melhor. Deixa o Vadão e a comissão técnica trabalhar por dois ou três anos seguidos, na minha opinião está no caminho certo.

« Anterior : [ 1 ] 2 3 : Próxima »
Confiram as Postagens Anteriores:

1  2  3  4  5  6  7  8  9  10  11  12  13  14 
 

Jornalista esportivo há 40 anos. Trabalhou, como jornalista, nas emissoras de Rádio Brasil, Educadora, Central, Jequitibá e Capital (São Paulo). Nos jornais: Diário do Povo e Jornal de Domingo, ambos de Campinas, e editor de Economia e Opinião do Jornal Todo Dia, de Americana.

Fale comigo