Enfim, a volta do Blog do Ari

Salve, salve!

Aviso aos navegantes: desta vez sumiram comigo durante os últimos quatro meses.

Diretores da casa juram, de pés juntos, que não me 'impicharam'.

Transferiram a culpa pelo sumiço a uma empresa de tecnologia contratada para cuidar de novo visual do portal Futebol Interior, e raparam o layout da página do Blog do Ari, com todo conteúdo, assim como outras páginas do portal.

E quando a página repentinamente ficou esvaziada, ainda colocaram um despiste com um aviso de 'até breve', com cara de demora interminável, coisa que se ajustaria mais como um adeus.

A empresa de tecnologia contratada deu uma congelada na gente, desapareceu do mapa e ficamos apenas com aquele gostinho de quero mais, capando do ar nossos patrocinadores do dia para a noite.

RECONSTRUÇÃO

Duro, agora, será a reconstrução daquela patota que interagia no blog, quer postando comentários, quer lendo e ouvindo.

Diretores do FI até propuseram que a coluna continuasse sendo produzida num espaço específico para articulistas, mas minha recusa se justificou porque seria um blog feito a duas mãos, sem a imprescindível interação direta dos parceiros, nos comentários.

Afinal, o blog é o que é porque tem característica plural, que implica em discussão de temas polêmicos.

'Aí não', foi minha posição imperativa, com recado que teria a necessária paciência para o retorno, até que as coisas se normalizassem e voltassem a ser como antes.

ARCANJO

Vamos sim repetir as besteiras feita na administração Sebastião Arcanjo, um dirigente que, por não ser da bola, foi imprudente ao buscar na Bahia um executivo de futebol cuja competência é avaliada pelo fracassado time que montou, caso de Alarcon Pacheco.

Claro que ao repercutir o Guarani do 'quase', ´é possível elucubrar ou até 'desenhar' porque o envelhecido time do Avaí - comprovadamente inferior - beliscou vaga de acesso ao Brasileirão e o Bugre ficou no quase.

OPOSIÇÃO

Na Ponte, mudança de ares com a chegada do grupo de oposição no comando, todavia enfrentando cofre vazio, com reflexo até em funcionários do clube, com atraso de salários e 13º, que implica em projeção natural de Ano Novo magro.

A bola parou na Série B, mas os assuntos não.

Então, parceiros, neste prazeroso reencontro, mãos nos teclados e escrevam aquilo que quiserem.

Ou aquilo que o limite permite, não esquecendo que termos pejorativos como 'perua' e 'galinhas' continuam fora do cardápio diário.