Tim, o estrategista que dirigiu Guarani e Ponte Preta
Quando foi trazido para ser treinador da Ponte Preta em maio de 1983, o saudoso Élba de Pádua Lima, o Tim, tinha no currículo passagens internacionais no comando da seleção peruana durante a Copa do Mundo de 1982, na Espanha, e San Lorenzo da Argentina.

Isso afora ter dirigido grandes clubes do Rio de Janeiro e a fama de estrategista. Todavia, seu histórico na Ponte se resumiu a sete jogos, com quatro derrotas, duas vitórias e um empate.

À época, o falecido treinador Cilinho havia voltado à Ponte Preta na condição de supervisor, mas saiu junto com Tim, que em Campinas já havia trabalhado em duas ocasiões, porém no Guarani.

Quando chegou, os bugrinos estavam assustados com a goleada por 10 a 2 que o time sofrido do Santos, na Vila Belmiro, em jogo amistoso.

Pois Tim estreou num amistoso contra o Bonsucesso e vitória bugrina por 3 a 2, em fevereiro de 1961, no Estádio Brinco de Ouro, num time com essa formação: Dimas; Ferrari, Ditinho e Belluomini; Valter e Eraldo; Dorival, Paulo Leão, Cabrita, Ilton e Osvaldo.

E no Estádio Brinco de Ouro Tim permaneceu até o final da temporada seguinte, voltando ao clube em breve passagem na temporada de 1975.

DRIBLADOR

Tim foi atleta que aplicava dribles desconcertantes nos anos 30 e 40 do século passado. Como aliava individualidade à visão de jogo, também fazia os seus golzinhos. Ele jogou nos principais clubes do Rio de Janeiro e Seleção Brasileira.

Em 1936 foi campeão do Sul-Americano realizado em Buenos Aires, quando a mídia Argentina o apelidou de 'El Peon'. Na Copa do Mundo de 1938, na França, participou apenas do jogo contra os checos, pois o técnico Ademar Pimenta preferiu escalar a ala esquerda formada por Perácio e Patesko, por causa da fama de Tim de farrista, que pulava janelas de hotéis para fugir de concentração. O melhor momento dele como atleta foi no tricampeonato carioca do Fluminense de 1936 a 38.

OLARIA

Tim passou pelo São Paulo antes de encerrar a carreira no Olaria (RJ), onde conciliou as funções de treinador, até se fixar na nova função.

Aí, expunha a sua tática com uso de mesa de jogo de botões, e mostrava o devido posicionamento dos jogadores. Por isso foi considerado um dos maiores estrategistas no comando de grandes equipes do futebol brasileiro.

Nascido em fevereiro de 1916, em Ribeirão Preto (SP), começou a carreira de atleta como meia-esquerda do Botafogo, em 1931, e três anos depois transferiu-se à Portuguesa Santista.