Armadilha de pontepretano provoca ferroadas em palmeirenses

Com a proliferação de torcidas organizadas na década de 70, começou a crescer conflitos entre torcedores adversários. Os visitantes, geralmente em número inferior, levavam desvantagem nas brigas. Aí, quem apanhava prometia e cumpria desforra no jogo da volta, quando seu time era mandante.

A rivalidade fora de campo entre Ponte Preta e Palmeiras era maior do que no confronto entre palmeirenses e lusos. Como o público nos estádios totalizava quase o dobro se comparado à média atual, a segurança fugia do controle do policiamento, principalmente pós-jogo nas imediações dos estádios.

MOISÉS INTERDITADO

Em julho de 1977, com o Estádio Moisés Lucarelli interditado por 30 dias pelo TJD (Tribunal de Justiça Desportiva) da FPF (Federação Paulista de Futebol), o jeito foi a Ponte Preta alugar o estádio do rival Guarani, o Brinco de Ouro, para mando dos jogos contra Palmeiras e São Bento.

Abelhas ferroaram palmeirenses
Abelhas ferroaram palmeirenses

A vitória do Palmeiras por 4 a 3 foi marcada por gol em posição de impedimento do polivalente Jair Gonçalves, e principalmente pelas ferroadas de abelhas em dezenas de palmeirenses concentrados na cabeceira norte, a de entrada do estádio.

Um torcedor pontepretano se vingou literalmente. Arquitetou plano de transportar colmeia em caixa de isopor, driblou a vigilância de portaria passando-se por sorveteiro, e levou a tal caixa aos últimos degraus do lance de arquibancada. Lá, descaradamente, pediu a torcedores que vigiassem seu isopor, com desculpa que sairia a procura de troco.

Curiosos de plantão esperaram o ‘sorveteiro de araque’ desaparecer na multidão, para destaparem o isopor.

Aí, o plano de surrupiar picolés saiu pela culatra. Depararam com furiosas abelhas que, ao sobrevoarem o local, deixaram nas vítimas as marcas do ferrão.

CONSOLO

O consolo do palmeirense foi ver seu time vencer.

Já a Ponte Preta, com três gols de Dicá, empatava a partida em 3 a 3 até que Jair Gonçalves marcou o quarto gol do Verdão. Os outros foram anotados por Toninho Catarina (2) e Edu Bala.

A Ponte jogou desfalcada do goleiro Carlos, dupla de zaga formada por Oscar e Polosi, e atacante Rui Rei.

Saudoso treinador Zé Duarte
Saudoso treinador Zé Duarte

O técnico Zé Duarte, já falecido, escalou Rafael; Jair Picerni, Eugênio, Élcio e Odirlei; Wanderlei Paiva, Marco Aurélio e Dicá; Lúcio (Wilsinho), Parraga e Tuta.

No Palmeiras atuaram Bernardinho; Romerito, Beto Fuscão, Mario Sotto e Zeca; Pires, Ademir da Guia e Jorge Mendonça; Edu Bala, Toninho e Vasconcelos (Jair Gonçalves).

REGIONAIS

Na época, as competições regionais eram prioritárias no calendário anual brasileiro.

O Paulistão de 1977, com 19 clubes, começou dia 6 de fevereiro e se estendeu até 13 de outubro, quando o Corinthians quebrou jejum de título de 23 anos, ao ganhar da Ponte por 1 a 0, gol de Basílio, na terceira e decisiva partida.

Todavia, o recorde de público no Estádio Morumbi foi registrado no segundo jogo daquela final: 138.806 pagantes e 8.058 menores credenciados. O público total foi de 146.864 espectadores.