01
AGO
Negociações nos clubes de Campinas trazem expectativa de mudança de cara

A turminha do CBD (come, bebe e dorme) instalada nos clubes campineiros timidamente tem tomado outro rumo.

Seria exagero colocar o centroavante Lukão, do Guarani, neste balaio, pois jamais encostou o corpo.

Agora, a informação é que não faz mais parte do elenco, e a justificativa é que vai jogar no exterior.

Quando dirigentes bugrinos o contrataram deveriam ter conhecimento que tecnicamente é limitado, porém com virtude pouca explorada na bola aérea.

Não bastasse a privilegiada estatura, com 1,84m de altura, Lukão tem impulsão aceitável.

Ele não deu certo no Guarani porque não encontrou um treinador com o perfil do paciencioso e saudoso Zé Duarte, que certamente programaria jogadas de fundo de campo e direcionamento para o cabeceio.

Foi assim que jogadores do passado como Rui Rei, na Ponte Preta, e o falecido Jorge Mendonça, no Guarani, tiraram proveito nos trabalhos de Zé Duarte.

RAFAEL MARTINS

De fato o goleiro Rafael Martins não deu certo no Guarani e aí não cabe crítica aos dirigentes do clube, pois a maioria atestou como contratação que poderia trazer benefício ao clube, devido à regularidade pautada quando esteve vinculado ao Brasil de Pelotas (RS).

Divulgação oficial do clube cita o desligamento dele, a exemplo de alguns que não deram certo no elenco bugrino durante esta Série B.

Em contrapartida, mais boleiro está chegando no Guarani, como o atacante Yuri Jonathan, que estava no Capivariano.

Nunca o vi jogar. Logo, não me cabe 'palpitar'.

Pela estatura de 1,85m de altura, espera-se que tenha aproveitamento satisfatório no jogo aéreo.

PONTE PRETA

O fato de o torcedor pontepretano estar em estado de graça, em decorrência da recuperação da equipe na Série B do Brasileiro, não significa que caiu no esquecimento a promessa do presidente Marco Eberlin de 'rapa' de até 50% do atual elenco.

A janela de transações entre clubes continua aberta, promessas de reforços estão sendo cumpridas, mas falta agilização dos responsáveis pelo futebol do clube para um destino daqueles que sabiamente não serão aproveitados.

Ainda não existem comentários.

31
JUL
Wallisson, da Ponte, poderia ser explorado no cabeceio além da bola parada

Se algumas rodadas antes do encerramento do primeiro turno desta Série B do Campeonato Brasileiro, a discussão sobre Ponte Preta girava basicamente em como escapar das últimas posições, os seis pontos conquistados, dos nove em disputa ultimamente, serviram para dar uma oxigenada ao clube na classificação, abrindo-se perspectiva de um segundo turno com solidez.

Quem diria que hoje seria possível discutir alternativas para melhor encaixe de jogadores na equipe pontepretana?

A grata surpresa tem sido o volante Wallisson, que soube aproveitar a chance na equipe a partir da lesão de Ramon Carvalho, para se juntar a Felipe Albuquerque e Léo Naldi, da mesma função.

Na prática, Wallisson, 24 anos de idade, tem mostrado mais de que aspectos competitivos de volantes que desarmam e picotam jogadas de adversários com faltas até duras. Por vezes procura ser condutor de bola, mas o que ninguém contava é postura de cabeceador, explorando 1,84m de altura e impulsão.

Nos três últimos jogos da Ponte Preta ele marcou dois gols de cabeça - contra Grêmio e Operário - e na vitória diante do Náutico fez a bola explodir no travessão, após cabeceio.

De acordo com o site 'ogol.com.br', foram os dois primeiros gols na carreira dele, após passagens por Portuguesa carioca, Volta Redonda e Democrata, entre outros.

HOMEM DE CHEGADA

Se o citado aproveitamento em jogada aérea ocorre nas bolas paradas, por que não o implemento com bola rolando?

Claro que, no caso, leva-se em conta a carência de atacantes cabeceadores no time pontepretano, numa competição em que incontáveis vezes a bola 'viaja' na área, nos chamados chuveirinhos.

Evidente que seria um risco a tentativa de adaptação dele como centroavante, até porque a posição requer que o atleta tenha cacoete para jogar de costas, o que não é o caso.

Cabe ao treinador Hélio dos Anjos refletir como aproveitá-lo como homem de 'chegada surpresa', na tentativa de cabeceio, quando laterais e atacantes de beiradas insistem nos chuveirinhos.

Guardadas as devidas proporções - e não interpretem de maneira diferente -, Wallisson poderia estar para a Ponte, como homem surpresa, assim como esteve o volante Paulinho para o Corinthians, na primeira passagem dele pelo clube.

O diferencial é que Paulinho chegava de trás pra completar passe no chão, enquanto Wallisson deve ser pelo alto, em jogadas planejadas.

No Corinthians, na era treinador Tite, quando Paulinho avançava, havia a natural retração de um dos laterais, de forma preventiva, considerando-se a hipótese de o adversário interceptar as jogadas e provocar contra-ataques.

Logo, o mesmo pode ser aplicado pela Ponte Preta.

Claro que isso demanda sequência de treinamentos, mas se a alternativa for plausível, por que não aproveitá-la?

CILINHO E MARCÃO

O saudoso treinador Cilinho até radicalizava quando tinha percepção de melhor aproveitamento de jogador em função diferente da original.

Também saudoso, o atacante Marcão iniciou a carreira como zagueiro, na Ponte Preta, em meados da década de 70.

Ao reencontrá-lo no XV de Jaú, no final daquela mesma década, Cilinho mudou radicalmente a posição dele para centroavante.

Qual a justificativa?

Se Marcão era lento para a função de zagueiro, como centroavante poderia ser explorado com 2,03m de altura.

E no cabeceio a carreira dele prosperou na Ferroviária e São Paulo.

PAULO LEÃO E NENÊ SANTANA

Em 1978, após o desligamento do saudoso treinador Oswaldo Brandão da Ponte Preta, num 11 de outubro, no empate com o América por 1 a 1, gol de Dicá, em Campinas, o comando da equipe foi entregue interinamente ao já falecido Paulo Leão, que treinava os juniores.

Quis o destino que no jogo da volta contra o América, em São José do Rio Preto, Paulo Leão improvisasse o quarto-zagueiro Nenê Santana como centroavante, com finalidade de explorar a técnica refinada de seu jogador.

Não deu certo. A Ponte perdeu aquele jogo por 2 a 1, com Oscar e Juninho formando a dupla de zaga, e a experiência já não foi repetida.

Detalhe: naquele 1978, no Estádio Moisés Lucarelli contra o América, o público pagante foi de 8.503 e foram contados 1.293 menores que entraram gratuitamente.

Pois hoje, mesmo com promoção, a Ponte sequer atinge aquela marca.

  • Barba
    01/08/2022 21:26

    A, e, i... Já cantava a torcida da Ponte preta sobre seu rival da rua conde D'eu no século passado. O campeão do rebaixamento chegando de novo em 2022. E olha que sempre foi o campeão do rebaixamento do século. Sem estadio, sem torcida (3%), sem elenco e se preparando pra fechar as portas. E tem idiota que se acha esperto. Acorda torcida mista!

  • João da Teixeira
    01/08/2022 21:25

    Mas falando em Distritos Industruais, e a Arena "3 Porcento" lá, sai ou não sai? Vcs vão acabar sendo despejados e terão que alugar um campo, o da Gloriosa será caro, até porque, se for mandar jogo no Décio Vita, a torcida não vai querer ir para ver esse futebolzinho. BOM, a ideia para o "The name rights" da arena bugrina, se sair já está lançada: "ARENA TRÊS POR CENTO", em homenagem a aficcionada torcida bugrina, que comenta aqui e vai ao campo, lógico, para dar os 3 p.c.

  • Léo - Pr
    01/08/2022 15:46

    Ari Yan Souto zagueiro do Goiás foi contratado junto ao Floresta do Ceará, já tem interesse de dois times do exterior, isso prova que até na série D tem jogadores bons a ser contratado mais dirigentes que não intende nada de futebol não enxerga, Mário Sérgio centroavante do Fluminense PI foi contratado pelo Mirassol.

  • Marcos
    01/08/2022 15:45

    Não falei? Ão ão ão....é seleção !!!! Pintou o campeão! !! Ohh Primavera pode esperar, a sua hora vai chegar....Esse povo de Nerverland é mesmo cômico!!! A 2 rodadas pedindo a cabeça até do sorveteiro de Nerverland....agora se acham o Real Madrid novamente kkkkkkk

  • Léo - Pr
    01/08/2022 15:43

    Ari viu como é fácil mudar o cenário, basta uma vitória boa que a torcedor colocando a Ponte como melhor time do campeonato, e os jogadores contestados já viraram craques que vai ganhar todas as partidas restantes, Grêmio e Bahia que passe cebo nas canelas que uma vaga entre os quatro vai ser da Ponte, então vai ficar assim ponte série A Guarani série C ficou ruim pra nós hein.

  • TIO LEI
    01/08/2022 02:41

    Bem lembrado por aquele bugrino. Seria bom que a diretoria PONTE PRETANA se antecipasse mesmo, armando alguma estratégia adequada para que não haja congestionamento para quando formos jogar não só em Indaiatuba, como em todas outras cidades onde a tabela designar. Afinal, não à toa NOSSA PONTE PRETA é detentora da MAIOR E MAIS APAIXONADA TORCIDA DO INTERIOR e nada mais justo do que deixarem tudo esquematizado para que nossas caravas possam seguir viajem em paz.

  • Barba para Ari
    01/08/2022 02:39

    Ari. Esse garoto é um fenômeno. Tem uma garra incrível e uma fome de bola que não se encontra por aí. Se bem lapidado, em muito breve joga em qualquer time do Brasil. Mas a Ponte preta tem que se prevenir, pois ele chamou a atenção de todos os times que jogou contra nos últimos jogos. Tem que comprar seu passe urgente. Aliás, meu amigo Roger já dizia isso há alguns meses em MG.

  • Léo - Pr
    01/08/2022 02:39

    Ari em 2005 o Guarani fez um jogo contra o Avaí pela série B com promoção de ingressos levou 30.500 torcedores para o estádio, vitória do Bugre por 2x0 gols Rodrigo Sá e Jonas, hoje pode abrir os portão de graça duvido que de a metade, o time encolheu a torcida tá desaparecendo, hoje nossa média de público é 2000 a 2500 por jogo logo cairá pra 1000 não vai muito longe, esses dirigentes amadores sem caráter tá distruindo o Guarani.

« Anterior : 1 [ 2 ] : Próxima »
Confiram as Postagens Anteriores:

1  2  3  4  5  6  7  8  9  10  11  12  13  14 
 

Jornalista esportivo há 40 anos. Trabalhou, como jornalista, nas emissoras de Rádio Brasil, Educadora, Central, Jequitibá e Capital (São Paulo). Nos jornais: Diário do Povo e Jornal de Domingo, ambos de Campinas, e editor de Economia e Opinião do Jornal Todo Dia, de Americana.

Fale comigo