06
JUN
Goleada foi exagero, mas que o Guarani mereceu perder, isso mereceu

Convenhamos que o Guarani não mereceu outra sorte na partida da noite desta segunda-feira, no Estádio Brinco de Ouro, mas ser goleado por 3 a 0, como foi, claro está que o placar também não reflete com fidelidade aquilo que foi a partida.

Não se enganem quando disserem que o Guarani criou incontáveis chances, pois isso não reflete a realidade.

Jogador arriscar chute de fora da área e sem direção como fizeram Yago, Lukão, Ronaldo Alves e Rodrigo Andrade não significa absolutamente nada.

Houve chute defensável de Rodrigo Andrade e apenas uma finalização de Giovanni Augusto que exigiu defesa com nível de dificuldade do goleiro Vanderlei.

PÊNALTI

Afora isso, o pênalti marcado pelo árbitro Maguielson Lima Barbosa não pode ser contestado, visto que a bola na mão bateu do atacante Silvinho do Operário, aos 50 segundos do segundo tempo, dentro da área.

Na cobrança, Giovanni Augusto desperdiçou. A bola foi espalmada pelo goleiro Vanderlei e explodiu no travessão, na sequência.

OPERÁRIO APROVEITA

Já o Operário chutou cinco bolas em direção ao gol bugrino, e contou com aproveitamento extraordinário.

A primeira vez ocorreu apenas aos 37 minutos do primeiro tempo, em escapada do volante Fernando Neto pela esquerda, passe para trás visando a chegada de Silvinho, que chutou de primeira, no canto esquerdo baixo do goleiro Kozlinski, sem chances de defesa: Operário 1 a 0.

Depois, duas vezes em cobranças de faltas através do atacante Paulo Sérgio.

Se na primeira Kozlinski defendeu, na segunda a bola explodiu no travessão.

Nas duas outras bolas chutadas em direção à meta bugrina, e de fora da área, com Kozlinski muito adiantado, Tomaz Bastos marcou aos 38 e Pavoni aos 42 minutos.

NADA DE CHAMUSCA

Qual a cara do treinador Chamusca no comando do Guarani?

Nenhuma.

Claro está que a boleirda bugrina procura se desdobrar em campo, o time mostra intensidade, mas isso se restringe apenas à obrigação de qualquer equipe.

Como o Operário entrou em campo desligado, cedendo espaço para o Guarani colocar em prática jogadas de velocidade, deixou a impressão que pudesse construir a vantagem nos primeiros 15 minutos.

Aí, quando o Operário foi ajustando o cinturão de marcação na cabeça da área, coube ao Guarani apenas rodar a bola no seu campo de ataque, porém sem capacidade de penetração, até que o adversário recuperasse a posse.

E isso se repetiu ao longo da partida, numa clara demonstração que Chamusca não conseguiu potencializar individualidade de seus atletas para jogadas pessoais, a fim de que haja infiltração sobre defensores adversários.

Ficou a impressão que a boleirada bugrina tem receio de tentar o drible e perder a bola, e por isso opta pelo passe até sem objetividade.

Afora isso, excesso de bola alçada à área adversária, basicamente na base do desespero, desconsiderando-se que o Operário atuava com três zagueiros com potencial no jogo aéreo defensivo.

DIOGO MATEUS

A desarrumação tática do Guarani ficou explícita quando o time partiu com tudo sobre o Operário e a defesa ficou exposta ao contra-ataque.

Num desses, paradoxalmente puxado pelo lateral-direito Arnaldo, como se fosse ponteiro-esquerdo, fatalmente ele ficaria na cara do gol quando o lateral-direito Diogo Mateus, do Guarani, trocou o gol pela expulsão, ao cometer falta.

CLAUDINEI DEMOROU

E com um a menos desde os 14 minutos do segundo tempo, o Guarani continuou afoito e o Operário só ficou sem posse de bola pela demora de seu treinador Claudinei Oliveira em fazer substituições, para oxigenar a equipe.

Se havia um buraco na lateral-direita do Guarani, recomendável seria Saraiva ter substituído o cansado Silvinho bem antes dos 37 minutos, assim como Claudinei não teve percepção que o meia Rafael Chorão nada acrescentava, com ganho notório a partir da entrada de Pavani no lugar dele.

  • Léo - Pr
    07/06/2022 11:54

    Ari mais essa goleada vai fazer bem ao Guarani, eu acho que Chamusca escalou o que tinha de melhor então meus amigos bugrinos vamos se preparar para o pior, não temos time desde o paulista esse koslinski é piada tbm chega fui .....

  • João da Teixeira
    07/06/2022 01:56

    Estava esperando goleada amanhã, nunca hoje, marcaram a placa do trem que atropelou, não tem placa? Então é trem fantasma, por sinal o tal Fantasma não foi nada camarada...

  • Marcos
    07/06/2022 01:55

    Pensando bem, a estratégia em trazer o Chamusca foi excelente!!! Ele é o ideal para disputar a série C. Só que terá que trazer alguns jogadores ( mais ou menos uns 12 ) e tb 2 goleiros de confiança ( não do Confiança heim ) . Esses mão de alface que estão aí, pode dar linha na pipa...

  • João da Teixeira
    07/06/2022 01:55

    Vem aí a derrota do Guarani ou vcs acham que novamente perdeu o melhor, o que teve a maior posse de bola, o que chutou mais, já que o Operário chutou 3 e entrou 3. Calma bugrinaiada, amanhã tem nós e não acostumamos decepcionar, portanto, como escreveu José de Alencar em Iracema: "Serenai, verdes mares!", acalmai verde torcida. Como falavam no passado, qdo a coisa tá ruim, chove Xuxa e cai o Pelé na sua cabeça... Amanhã temos nós é Nóis...

  • Luiz Otto Heimpel
    07/06/2022 01:54

    Patetico, perder em casa do Operario por 3 x 0 e caso de limpeza geral. Se e para passar vergonha poe o sub 20 que ela sera menor. Se Daniel Paulista era ruim ,Chamusca e muito pior.esta na hora de uma mexida geral, diretores , tirem a bunda da cadeira e tomem providencias JA.

  • Marcos
    07/06/2022 01:54

    Novamente título errado heim !!! Não é jogo !!!! É circo dos horrores!!!! Pelo menos hoje não ficou nenhuma dúvida que ano que vem é série C. Pode preparar o busão. Ectem mais heim , esse time não sobe nem na Cezona...é tudo pé de rato...

  • Luiz Otto Heimpel
    07/06/2022 01:54

    Desisti. Tenho 77 anos e nunca vi um time do Bugre tao inoperante. Segundo tempo nos com 10 jogadores e perdendo de 1 x 0 . O time e tao ruim que nem de penalti faz.Enquanto isso a diretoria fica aguardando o time encaixar Sabe quando…. nunca

  • Luiz Otto Heimpel
    07/06/2022 01:53

    Essa mediocre diretoria acha que gastar so o que pode e merito. Nao e merto mas sim obrigacao. Merito e com o orcamento que se tem saber montar um time competitivo. Se tivessemos im presidente de pulso firme , metade desses pes de rato mais o Michel ja estariam procurando emprego.( na aerie D com certeza)Quem ama o Guarani como eu nao aguenta mais tanta mediocridade.Chega !!!!!!!!!!!!

« Anterior : 1 [ 2 ] : Próxima »
05
JUN
Se a Ponte Preta enfrentar aquele Ituano que jogou em Tombos pode dar 'samba'

Postagem dupla neste domingo. Abaixo busco outro ângulo para registro do empate sem gols de Palmeiras e Atlético Mineiro. Aqui, o assunto é relacionado à Ponte Preta.

Terça-feira que vem tem mais Ponte Preta. E qual Ituano ela vai encontrar na cidade de Itu?

Impossível que seja aquele Ituano acovardado, que perdeu para o Tombense por 2 a 1, na noite de sábado, em Tombos (MG).

Nos atemos ao bordão de um filósofo de botequim em que 'cada jogo tem a sua história'.

Se hipoteticamente a Ponte encontrar o mesmo Ituano de sábado, a sua chance de reabilitação seria considerável.

No entanto, o treinador do Ituano, Mazola Júnior, não deve repetir aquela paúra de colocar seu time atrás e optar apenas pelo contra-ataque.

Avisem ao Mazola Júnior que jogar em Tombos (MG), com poucas dezenas de pagantes, em nada se assemelha a jogos na condição de visitante.

Logo, o mínimo que se esperava era que o Ituano medisse força de igual por igual.

O QUE EXPLORAR?

Convencionando-se que agora o Ituano vai se encorajar e sair pro jogo, então restaria a pergunta inevitável: o que se esperar da Ponte Preta?

Desde que o seu compartimento defensivo esteja bem ajustado e evite atalhos a serem explorados pelo time mandante, há sim como explorar vulnerabilidade do Ituano.

Onde?

Reveja o segundo gol do Tombense e certifique que o atacante Cleiton ganhou facilmente na velocidade do zagueiro Léo Santos, do Ituano, finalizou, e a bola se ofereceu para o também atacante Ciel apenas empurrar pra rede.

DANILO GOMES

Considerando-se que o Ituano vai sair pro jogo, espaços serão oferecidos em sua defensiva.

Recomendável, no caso, é que o treinador Hélio dos Santos, da Ponte Preta, dê uma calibrada no homem encarregado do passe para o atacante Danilo Gomes, não na beirada do campo, e sim por dentro, pela meia direita, justamente para provocar o enfrentamento de mano de seu atleta com o zagueiro Léo Santos.

Claro que este é apenas um dos desenhos que o treinador pontepretano pode colocar em prática.

Todavia, convenhamos que, se bem ensaiado, seria um indicador recomendável.

Em última análise, Danilo poderia sofrer falta nas proximidades da área, e aí passou da hora de se preparar o cobrador, para se tirar proveito deste expediente.

VIDRAÇA

Podem argumentar que não é atribuição do crítico dar palpites sobre aquilo que treinadores devem fazer, até porque são bem remunerados para a função.

Discordo.

Compete ao receptor da mensagem refleti-la, assimilá-la ou descartá-la.

Diferentemente de incontáveis aproveitadores que fazem os personagens de vidraça, neste espaço a crítica geralmente é seguida de alternativas que possam ser viáveis.

DOIS TOQUES

Público pagante, veja o contraste: Bahia e Criciúma com 32.811 pagantes; Guarani e Vila Nova contou com 1.785.

Sampaio Corrêa: logística de viagem complicadíssima. Tempo de voo de São Luís (MA) a São Paulo gira de três horas e meia a quatro horas e quarenta. Acrescente mais 403 quilômetros de voo rasteiro até Novo Horizonte. Depois, nova ginástica em rodovias para o jogo em Criciúma, na terça-feira. Treinar pra que?

Nove jogadores: exatamente esse foi o número de jogadores com passagens por Guarani e Ponte Preta que estiveram em campo no duelo entre Operário x Cruzeiro: Arnaldo, Thales, Felipe Saraiva, Ricardinho, Silvinho, Paulo Sérgio, Bidu, Rafael Santos e Neto Moura.

Ainda não existem comentários.

Confiram as Postagens Anteriores:

1  2  3  4  5  6  7  8  9  10  11  12  13  14 
 

Jornalista esportivo há 40 anos. Trabalhou, como jornalista, nas emissoras de Rádio Brasil, Educadora, Central, Jequitibá e Capital (São Paulo). Nos jornais: Diário do Povo e Jornal de Domingo, ambos de Campinas, e editor de Economia e Opinião do Jornal Todo Dia, de Americana.

Fale comigo