Tem razão a cartolada da Caldense ao desconfiar da boleirada

Educação familiar de décadas passadas ensinava na marra bons modos à criançada.

Quem fazia arte raramente escapava do castigo, que não precisava significar chineladas ou palmadas.

Punir o desobediente do desejo de assistir televisão, por exemplo, já seria uma forma corretiva.

Seria o ensinamento para não se reincidir no erro.

CALDENSE

Com tantos boleiros vítimas de contágio do coronavírus, prudentemente dirigentes do clube mineiro da Caldense optaram por isolar os seus jogadores no Centro de Treinamento, para evitar contágio da doença.

E de lá só vão sair para realização de jogos a partir do próximo dia 26, retornam em seguida, e a rotina vai se prolongar até o término do Campeonato Mineiro.

E não condenem a cartolada da Caldense pela quarentena forçadíssima.

Boleiros, em geral, já deram mostras de que não levam a doença à sério. Dispensam os devidos cuidados.

Eles têm percepção que, se contaminados, a recuperação é questão de dias. A maioria, assintomática, só se dá conta da contaminação após os devidos testes.

CHAPECOENSE

Vejam que a sequência do Campeonato Catarinense sofreu adiamento neste final de semana porque na Chapecoense 14 testaram positivo, entre atletas e membros da comissão técnica.

Pode isso, Arnaldo? Narrador de televisão Sílvio Luiz diria 'pelas barbas do profeta', pelo amor de meus filhinhos'.

Boleiro pode até descartar baladas, mas raramente dispensa resenhas com companheiros de profissão, independentemente do ambiente.

Aí, no largo grupo de amigos as máscaras são desprezadas, ou posicionadas no queixo, que assim só serve de 'enfeite'.

DESTILADOS

Isso quando não eles compartilham mesmo copo nas goladas de destilados.

As vezes boleiro age comparativamente como a molecadinha que se aglomera nas ruas para empinar pipa, naturalmente sem os devidos cuidados.

E dá nisso. Na maioria dos clubes registros de atletas contaminados. E dá-lhe testes. Dá-lhe gastos aos clubes.

Por isso, não tirem a razão da Caldense pela desconfiança.