Se não furou retranca lá, vai furar aqui, Corinthians?

Coluna de áudio Memórias do Futebol, com link à direita, está atualizada com particularidade de que o mês de fevereiro tem sido marcado, entre outras coisas, por mortes de jogadores com passagens pela Seleção Brasileira. Os casos citados são do zagueiro Orlando Peçanha, volante Bauer e meias Zizinho e Jorge Mendonça. Ouça!

CORINTHIANS

E o Corinthians, hein?

Dá pra reverter a vantagem do Guarany paraguaio, que venceu nesta quarta-feira, em seus domínios, por 1 a 0?

Seria a síndrome da fase de grupo da Libertadores?

Se neste jogo no Paraguai o Corinthians enfrentou um adversário que lembrou as retrancas do Juventus de décadas passadas, o que esperar no jogo de volta no Itaquerão?

Ter posse de bola, encurralar o adversário em seu campo, mas conseguir raríssimas chances de gols é preocupante sim.

E o meia Luan, hein?

Quem foi contratado como solução, como ele, jogar aquela bolinha não dá.

Como o adversário chega junto, em determinado lance ele deu uma senhora pipocada. Tirou o pé literalmente.

Libertadores é isso. Nem sempre a equipe teoricamente melhor vence.

A correria do Guarany paraguaio no começo e estilo do saudoso treinador Milton Buzzeto quando chegou ao gol foram preponderante para vencer.

BAHIA DANÇA

Se ano passado Ponte Preta e Guarani foram eliminados na primeira fase da Copa do Brasil, imaginem o prejuízo para o Bahia que perdeu do River por 1 a 0, no Piauí, e se despediu precocemente da competição.

Resta saber como presidente e vice do clube, devidamente remunerados, vão explicar esse desastre.