Ezequiel, começo e fim da carreira na Ponte Preta

Ezequiel Ataliba foi mais um exemplo de jogador formado na base da Ponte Preta, sem que o seu futebol, como volante, tivesse desabrochado no clube.

Até nos juniores não se firmou como titular, pois o titular da posição foi Sílvio, quer na conquista do bicampeonato da Taça São Paulo em 1981, quer no Paulista de juniores ano seguinte.

Além de Sílvio, à época outro volante promovido foi Colósio, que atuou mais vezes de que Ezequiel.

No período, a base da Ponte foi tida como usina na fabricação de jogadores. Nem por isso treinadores da equipe principal como Dino Sani, Dudu, Nicanor de Carvalho e Tim colocaram Ezequiel pra jogar na equipe principal.

CILINHO

As três primeiras oportunidades foram dadas pelo treinador Cilinho em novembro de 1983, duas delas improvisado como falso ponteiro-direito, e outra entrando no lugar do centroavante Chicão, porém com missão de congestionar o meio de campo.

Sem espaço na Ponte, Ezequiel pode mostrar o seu futebol de garra no Ituano.

O tempo exato de bola para antecipação implicou em notoriedade e consequente interesse do Corinthians, que o contratou em 1990, inicialmente como reserva.

Ano seguinte, efetivado na equipe, esse campineiro de 1,62m de altura desfrutou da fama ao cair no gosto da torcida, mas também foi companheirão da noite, rodeado de mulheres.

Aí surgiram filhos fora do casamento, pagamento de pensão alimentícia e fonte financeira secando quando parou de jogar na virada do século, com registro da última passagem pela Ponte Preta de 1997 a 2000.

“Eu não parei, pararam comigo”, confessou, quando ainda se julgava em condições de continuar.

AMADORISMO

Pararam em termos. A identidade com o futebol exigiu que optasse pela reversão ao amadorismo em Campinas, onde participa de competições aos 56 anos de idade, na equipe Higa-Ponte Preta.

Como a ocupação como entregador de remédios não rendia o suficiente para manutenção da família, o amigo Neto - companheiro nos tempos de Corinthians - organizou jogo beneficente em 2009. Depois disso, o ex-centroavante Chicão, de Ponte Preta e Santos, o acolheu como instrutor de garotos em escolinha de futebol de Campinas.

De certo Ezequiel contou à garotada que foi mordido por cachorro da Polícia Militar em jogo contra a Ponte Preta, em Campinas.