18
JUN
Pontepretano evita discussão sobre balanceamento da equipe; rodada beneficia bugrino

Alô João da Teixeira: é alarme falso o fim da coluna Informacão, mais viva que nunca. Esta semana a citação é sobre o Samu Animal em Campinas. As demais colunas também estão na rede.

Apesar do domingo sem futebol para os clubes campineiros, há rescaldo dos jogos da rodada de Guarani e Ponte Preta respectivamente, para que tracemos mais algumas linhas.

Abri discussão com o pontepretano sobre alternativas práticas para compensar o inevitável desgaste físico do time durante o segundo tempo, devido à montagem de uma equipe já envelhecida.

Evitar que todos veteranos sejam escalados simultaneamente? Preparar algum ‘pulmão de aço’ no elenco pra que entre no segundo tempo e, na correria, compense desgaste natural de companheiros? É possível aumentar a vitalidade física de veteranos como Sheik e Renato Cajá?

A discussão continua aberta. O objetivo é que a Ponte mantenha a uniformidade mostrada no primeiro tempo diante do Santos, pra não sofrer aquele sufoco.

São perguntas pertinentes, mas prevaleceu o silêncio de torcedores pontepretanos de senso crítico como Tio Lei, Cabeça, Carlos de Barão, Sergião, Paulo Sérgio, Marcião, Rodrigo U., João AAPP, R. Maia, e tantos outros que não apresentaram a varinha mágica ao treinador Gilson Kleina. Quem jamais se omite são os parceirões João da Teixeira e Barba.

GUARANI

O bugrino havia se acostumado com seguidas vitórias e não poupou críticas ao desempenho do time na derrota para o Criciúma, sexta-feira.

Calma, gente. É preciso ter leitura mais adequada sobre as dificuldades deste Campeonato Brasileiro da Série B, em que a maioria das equipes se equivale e a dança de posições tem prevalecido.

Toda aquela gritaria contra o time bugrino não deu em nada, até porque ele foi mantido na segunda colocação com 15 pontos.

Até mesmo o líder Juventude não venceu e subiu apenas mais um ponto, chegando aos 18, após empate sem gols com o Paysandu.

Como não houve vencedor no confronto entre Santa Cruz e Inter, ambos somam 13 pontos. Logo, não assustaram.

VILA NOVA

E o Vila Nova (GO) goleado pelo Brasil, em Pelotas (RS), por 3 a 0? Assim, foi desfeito o risco dele ultrapassar os 14 pontos já conquistado.

Portanto, foi uma rodada mamão com açúcar para o Bugre, apesar da derrota em Santa Catarina para o Criciúma.

  • Eric AAPP
    21/06/2017 15:23

    Lembrem-se deste nome: Barba, o corneteiro de véspera

  • Barba
    21/06/2017 00:15

    Lembrem-se deste nome: Jean Patrick - chinelinho, nunca jogou por onde passou.

  • DE ARI PARA EUGENIO
    19/06/2017 21:58

    Prezado Eugenio, o defensor que acompanhou Silvinho foi Genílson. Dênis Neves treina separado. Richarlyson está liberado e fica no banco. É polivalente: lateral-esquerda e volante. Rafael Silva aguarda oficialização da janela internacional. Leandro Amaro saiu da Ferroviária e está no Oeste.

  • João da Teixeira
    19/06/2017 16:26

    Hoje poderemos ter novidades sobre a escalação ou não do Richarlysson. Se tiver bem e for para jogar futebol tudo bem, mas se for só para enganar e dar renda, vai virar um "mico" danado. Então Vadão, escale se for para acrescentar. Agora se for para dividir, subtrair o já pouco futebol, melhor continuar treinando mesmo!!! O último time do Rich, rs, foi o FC Goa, região da Índia colonizado por portugueses e por isso a sua cultura parece com a do Brasil, com caldo de cana e peixada

  • Profeta da Tribo
    19/06/2017 16:26

    Ari, o time do Guarani está bem, mas não podemos fechar os olhos para o que precisa ser melhorado. Evitemos os extremos: o da fantasia do sucesso e o da psicose do fracasso. Somos um time competitivo, que vai brigar pelo acesso até a última rodada; mas somos um time com fragilidades, que precisará melhorar cada dia mais. Partida contra o Oeste será muito difícil, Amaro é forte na bola parada alta, tanto ofensiva quanto defensiva, e nossos zagueiros têm pouca estatura.

  • Profeta da Tribo
    19/06/2017 16:25

    O Guarani terá que encarar o Oeste com concentração máxima e com o psicológico muto bem ajustado. Contra a defesa mais sólida do campeonato, é possível que a gente demore para fazer algum gol. Não podemos nos afobar, se isso acontecer. Temos que fazer o que fizemos muito bem contra o Paysandu: toque de bola rápido e consciente, combinado com movimentação intensa e inteligente. Espero que o Rick esteja regularizado para o sábado, junto com o Rafael Silva.

  • João da Teixeira
    19/06/2017 12:28

    Ari, temos meio time e ainda vc. quer revezar? O medo que dá de se fazer isso, é de ambos os times desse revezamento acabarem por serem sacos de pancadas no campeonato. Quem pode fazer isso é o Palmeiras, Atlético Mineiro, Flamengo, e uns três outros. Não dá para se dar ao luxo de jogar sem o Sheik, o Bob, o Marlon, o Aranha, o Lucca...complicado.

  • RMaia
    19/06/2017 12:26

    Atenção!!! O novo lanterna do campeonato é o Avaí, o antigo lanterna - Atlético de Goiás - a Ponte já ajudou dando-lhe metade dos pontos conquistados até o momento, portanto dia 2 de julho lá na Ressacada em Florianópolis será o momento da Ponte fazer mais uma benevolência e ajudar o Avaí dando-lhe 3 pontos, depois tem de ajudar o Atlético do Paraná, que também tá mal das pernas....

  • Roberto
    19/06/2017 12:26

    Essa derrota p o Criciuma tem que por na conta do goleiro, o Guarani é infinitamente superior a esse time, agora, jogando em casa a coisa muda de figura, Da lhe Bugre !

  • Eugenio
    19/06/2017 12:25

    Ari, quem foi o defensor que "acompanhou" o atacante do Criciuma, pela direita, no primeiro gol ? Se foi o Genilson, então banco nele. Nossa defesa foi uma mãe, começando pelo goleiro. E pq liberar o Denis Neves ? Antes tinhamos 2 bons laterais esquerdos, agora não temos nenhum. E kd a documentação do Richarlison ? Seria uma boa idéia coloca-lo na lateral ? O Rafael Silva ja pode jogar ? O Léo mencionou bem, o Leandro Amaro devia ter continuado, melhor q Alef e Genilson juntos.

  • LÉO - PR
    18/06/2017 20:58

    Ari se o Guarani continuar com a mesma pegada jogando em casa eu acredito que no próximo final de semana somos o novo líder da série B mais o time do Oeste tem uma defesa muito boa o Leandro Amaro que deveria esta jogando pra nós ta jogando pra eles e muito bem.

18
JUN
Como a Ponte conseguirá uniformidade de atuação para evitar risco?

A coluna Cadê Você já está no ar. Assunto: história do pontepretano Moisés Lucarelli.

Análise racional do empate sem gols entre Ponte Preta e Santos, na noite deste sábado no Estádio do Pacaembu, tem que obrigatoriamente ser repartida em dois blocos para os pontepretanos: um até os dez minutos do segundo tempo; outro no restante da etapa até o apito final do mineiro Igor Júnior Benevenuto, aos 49 minutos.

Quando o time da Ponte ainda estava inteiro fisicamente, o jogo foi pau a pau, com dinâmica ofensiva extremamente interessante dos pontepretanos.

A partir disso, entra em discussão como reverter a brutal queda de rendimento físico de vários jogadores por diferentes motivos.

LUCCA E CLAUDINHO

O atacante Lucca, por exemplo, foi obrigado a recuar seguidamente para conter avanços do lateral-direito Vitor Ferraz, e era natural que se esgotasse fisicamente, até porque foi contundente ofensivamente durante o primeiro tempo.

Como extrair mais até no aspecto físico do meia-atacante Claudinho, ou quem ocupar a posição, para compensar desgastes naturais de jogadores veteranos como o meia Renato Cajá e Emerson Sheik, que não suportam ritmo pesado em dois tempos de jogo?

Dentro do possível o treinador da Ponte Preta, Gilson Kleina, procurou alternativas corretas nas substituições.

Com Lucca cansado e já sem condições de acompanhar Vitor Ferraz, mandou que ele flutuasse no comando do ataque e lado direito, até porque segura a bola no ataque e sabe cavar faltas.

Logo, Claudinho, posicionado na direita, foi sacado corretamente para a entrada de Lins, que entrou no lado esquerdo.

Se Lins foi incapaz de segurar a bola no ataque, pelo menos mostrou obediência na recomposição, marcando Vitor Ferraz.

CAJÁ E SHEIK

Nesse cenário analítico sobre o segundo bloco da partida, é possível extrair um pouco mais fisicamente de Cajá e Sheik, para que o time continue mantendo uniformidade?

Tá certo que o ritmo forte imposto pelo Santos exigiu desdobramento do time pontepretano, mas são questões para Kleina quebrar a cabeça e buscar alternativas mais condizentes.

Até porque, sofrendo pressão e se prendendo à alternativa de apenas se defender, é extremamente arriscado.

Por sorte, os volantes Bob e Élton coadjuvaram demais o quarteto defensivo, com atuações destacadas de Jefferson, Marllon e Rodrigo.

Quem destoou desta última linha foi o lateral-esquerdo João Lucas, que tomou um baile do atacante Bruno Henrique, no confronto direto.

Prudentemente Kleina procurou fechar aquele espaço, mesmo obrigado a improvisar um zagueiro na lateral-esquerda, caso de Luan Peres.

Foi quando o treinador santista Levir Culpi inverteu Bruno Henrique para o lado esquerdo, com a entrada de Wladimir Arantes pela direita, no lugar de Copete.

BOM PRIMEIRO TEMPO

A página animadora para o torcedor pontepretano foi o primeiro tempo acima da média de seu time.

A valorização da bola começava na defesa, com Bob e Élton sabendo distribui-la.

Aí, tem-se que destacar a surpreendente atuação de Renato Cajá, participativo e fazendo o time rodar.

Esse toque de qualidade tinha prosseguimento quando a bola caía nos pés de Lucca e Sheik, com incômodo à marcação santista.

A rigor, naquele período o Santos logo se atirou ao ataque e teve chance de abrir o placar aos três minutos, com Bruno Henrique exigindo defesa difícil do goleiro Aranha.

Todavia, também se impondo em campo, no lance seguinte a Ponte respondeu com Élton obrigando o goleiro santista Vanderlei a se desdobrar para não ser vazado.

Se no início do segundo tempo o santista Kayke teve chance de marcar, igualmente tem-se que se referir a Lucca, com Vanderlei evitando gol certo.

Depreende-se da partida que a Ponte só precisa buscar uma forma de manter uniformidade de atuação, para que a travessia nesse Campeonato Brasileiro seja tranquila.

  • DE ARI PARA SAME CESAR
    18/06/2017 19:56

    Prezado Same Cesar, o Élton teve participação ativa na jogada. Logo, impedimento bem marcado.

  • Same Cesar
    18/06/2017 19:56

    O assistente se precipitou e levantou sem respeitar a orientação da International board gol contra mal anulado! Nega veia foi garfada roubada! Não adianta querer se justificar! contra os fatos mais do claros não há argumentos plausiveis ARI !!!!!!!!!!!!!!!!

  • Same Cesar
    18/06/2017 19:55

    Ari! Veja bem! No lance de gol contra de David anulado alegaçao Elton impedido há orientação que o impedimento se concretize quando o jogador recebe a bola(FIFA). Se fosse outro jogador da macaca não impedido que fizesse o gol o gol não estaria valendo mesmo elton impedido num lance de falta onde todos jogadores ficam em linha na grande area! Como alegar que UM jogador apenas interferiu mesmo impedido na jogado? A macaca foi prejudicado e o senhor esta equivocado na interpretação!

  • João da Teixeira
    18/06/2017 19:52

    Pois é Ari, estão procurando até agora o impedimento. Até jornalista de São Paulo estão procurando motivos e olha que eles são rápidos para achar...e não acharam. Mesmo que tivesse, quem fez o gol? O bandeirinha não só tem que assinalar depois do lance concluído? Benvenuto ladroni..

  • Carlos da farmacia
    18/06/2017 15:53

    Meio de campo com volantes muito grossos! assim não dá! Elton lerdo demais, não ganha uma, o tal do Naldo é muito ruim. E o Wendel no banco? ta louco Gilson, ou é coisa de Diretoria e empresarios?

  • TONY
    18/06/2017 13:22

    Este lateral esquerdo é horrivel! Bora buscar Gilson correndo....

  • Barba
    18/06/2017 13:22

    Insistir com Naldo, Elton e Jadson é coisa de louco - Cadê o menino Matheus Jesus? Puniçao por uma traquinagem? Cai na real, diretoria amadoraça!

  • JP
    18/06/2017 10:31

    Sintetizando, o time cai de produção no segundo tempo por conta da idade média desse grupo e pelo momento físico de jogadores importantes como Cajá. A questão é que as substituições não conseguem manter o mesmo nível da equipe. Detalhe: João Lucas já mostrou que não está pronto para ser titular desse time. Se o interminável Fernandinho não consegue substituí-lo, a Diretoria tem que corrigir esse erro e trazer um novo lateral esquerdo

  • DE ARI PARA JOÃO DA TEIXEIRA
    18/06/2017 10:30

    Prezado João da Teixeira, após cobrança de falta foi marcado impedimento do volante Élton. E acertou a arbitragem. Portanto, a jogada já estava impugnada quando Deivid Braz marcou contra as suas próprias redes.

  • João da Teixeira
    18/06/2017 10:27

    E aí, Ari? Plagiando um bordão do Batista da Band, qdo chamava o comentarista Eli Carlos, vc não vai falar um tiquinho de prosa sobre o mal anulado gol da Ponte, que de polêmico não tem nada. Olhei o lance "centas" vezes e não vi nada. Ninguém viu, foi a garfada tradicional que a Ponte sofre contra o Santos. Benvenuto maledetto, ladroni, como diria o meu avô paterno nascido em Cessalto, Treviso, no Vêneto...

  • João da Teixeira
    18/06/2017 10:26

    A Ponte incomoda, e como time sem representação até na classe jornalística de Campinas, qto mais de São Paulo., com isso a juizada deita e rola, não sofrem impunidades, por isso metem a mão a vontade. .

  • João da Teixeira
    18/06/2017 10:26

    Com relação ao jogo, foi parelho, decidido na mão grande, já que poderia ser uma vitória da Ponte. Qualquer resultado será natural, é um clássico. O Bob voltou a jogar bem, Marlon nem se diga, Lúcia e Sheik não reeditaram grandes jogos, mas não foram males. Catálogo jogou melhor, esperamos que não seja só por causa da visibilidade que dá esse jogo. Agora vem aí o Cruzeiro, que quer embalar. Será bom a Ponte dar uma de Sir Sherwood. ...

Confiram as Postagens Anteriores:

1  2  3  4  5  6  7  8  9  10  11  12  13  14 
 

Jornalista esportivo há 40 anos. Trabalhou, como jornalista, nas emissoras de Rádio Brasil, Educadora, Central, Jequitibá e Capital (São Paulo). Nos jornais: Diário do Povo e Jornal de Domingo, ambos de Campinas, e editor de Economia e Opinião do Jornal Todo Dia, de Americana.

Fale comigo