13
MAI
Só cravando triplo para Emerson Sheik na Ponte Preta

Pontepretanos estão se perguntando: valeu a pena o clube trazer o veterano Emerson Sheik?

A identidade do futebol de uns tempos a essa parte tem como exigência sine qua non condicionamento físico de mil por cento do atleta.

Assim, já não há mais espaço para boleiro que coloca a mão na cintura, ‘aluga’ faixa determinada do gramado, e ganha suposta sobrevida com raros lampejos.

Regra é regra. Não nos esqueçamos, todavia, que há exceções. Entre veteraníssimos, um ou outro ainda contraria a lógica e surpreende com piques, balanços, e a bola - ainda obediente - grudando em seus pés.

Seria o caso de Emerson Sheik, contratado pela Ponte Preta, essa rara exceção?

Últimas passagens por Botafogo (RJ) e Flamengo não indicam que seja a exceção rogada pelo pontepretano.

39 ANOS DE IDADE

A gana de Sheik ao afirmar que ‘chegou para viver a Ponte’, disposição de um juvenil para treinar, e a compleição física inalterada na iminência de completar 39 anos de idade, coloca um ‘trevo’ na cabeça do torcedor: vai, ou não vai?

Será que repete pelo menos um terço dos tempos de Corinthians na Libertadores, ou vai andar em campo e se tornar presa fácil para zagueiros adversários?

Diante do cenário de absoluta incerteza, o recomendável seria cartolas da Ponte Preta costurarem contrato de risco de acordo com rendimento.

Comprovando-se expectativas positivas, nada mais justo que desembolsem salário gordo, como sempre ocorreu ao longo da carreira dele.

Caso dê motivos para críticas dos incrédulos, convenhamos que um vintém já será caro.

Dito isso, fosse jogo de aposta de loteria esportiva, não daria para fugir de um triplo.

RODRIGO

Já o ‘repatriamento’ do zagueiro Rodrigo, ex-Vasco, é de fácil prognóstico: composição de elenco.

Difícil projetar um zagueiro lento, veterano, com desempenho técnico questionável, ser absoluto na zaga pontepretana.

É o tipo de negociação com altíssima possibilidade de reprovação, considerando-se os padrões exigidos para competição como o Brasileiro da Série A.

Como é praxe incidência altíssima de erros de contratações pelo Departamento de Futebol da Ponte Preta, coloque essa na conta de mais uma.

Oxalá seja desmentido.

  • João da Teixeira
    15/05/2017 17:42

    RMaia, parece que o nome dele é Marcio Emerson Passos de Albuquerque. Só faltava não ter Emerson no seu nome oficial, aí eu iria dizer que o cara é afetado mesmo! Caso não tenha, Emerson então seria um nome de guerra, associado a Sheik, que seria o máximo da afetação, se fosse o caso. Seja lá o que for, vamos jogar bola e se jogar, pode dar beijinho na boca de quem ele quiser, não sendo na minha...

  • RMaia
    15/05/2017 13:08

    Emerson Sheik na verdade se chama Márcio Passos de Albuquerque. Ele é dinamite pura, chegado numa balada e convive com gente que tem uma "capivara" bem extensa. Esses incompetentes dirigentes da Ponte, que hoje se sentem aliviados pelo Vasco ter ficado com o mico Luiz Fabiano, conseguiram cair na arapuca deste ex-atleta em atividade, torço para estar equivocado, mas creio que será mais um Borges e WP, seria preferível ter pego o Alexandro que deixou o Palmeiras.

  • Roberto
    15/05/2017 10:10

    É TIO GA, MAIOR E MAIS APAIXONADA TORCIDA DO INTERIOR REALMANTE, 3.000 PAGANTES KKKKKKKK, QUE VERGONHA DE TORCIDA, PEQUENA E MISTA, E OLHA QUE O CURINTHIANS JÁ TINHA JOGADO NO SÁBADO

  • LÉO - PR
    14/05/2017 15:53

    Ari o Fernando Gabriel já estreou com gol la no papão em cima do oeste e olha que o guarani tem um executivo Nei Pandolfo isso que é jogar dinheiro no lixo

  • TONY
    14/05/2017 14:38

    Aranha; Nino, Marllon, Kadu e Fernandinho; Bob, Matheus Jesus e Cajá; Lins, Lucca e Xuxa.

  • Barba
    14/05/2017 14:37

    Bom jogo para estréia... em casa, apesar de algumas saidas, temso mais elenco. Agora, onde está o Matehus Jesus, titular em qualquer time do Brasil... Já começou a palhaçada de empresários?

  • João da Teixeira
    14/05/2017 11:49

    No meu último post não "são pessoas" e sim, "são presas fáceis". Meu corretor do celular fala mandarim rsrsrs. Aproveitando o post, tem 3 vagas na A2, uma é do Inter-RS. Contra o Londrina, fora de casa, mostrou que a diferença técnica é gritante e olha que o Londrina não é um baguazão. Sobrou 3 vagas para os presas fáceis...

  • João da Teixeira
    14/05/2017 11:04

    Parabéns a todas Mamãesuas. Lembro as somente que não esqueçam de dedicar rigidamente a educação de seus filhos até uns 7 anos. É quando eles ganham a parte mais importante do aprendizado e vcs serão lembradas por isso. Ganham o caráter, o que é certo ou errado. Infelizmente nós maridos, não soubemos valorizar esse seu serviço doméstico no passado e assim vcs foram a luta, trabalhar fora e os filhos perderam essa referência e hoje vemos marginais em todas as classes sociais.

  • João da Teixeira
    14/05/2017 11:02

    O futebol no Brasil só sobrevive devido ao preparo físico, com um gene incubado em alguns da população, mas que nem sempre aflora por não se praticar o esporte, a ginga, o molejo, a visão espacial do tempo da bola, a sua localização espacial. Então Sheik, Rodrigo, Richarlysson etc, normalmente v são pessoas fáceis devido o peso da idade, que mesmo com condicionamento físico, é difícil superar. Só se o gen ainda está ainda agindo para compensar um pouco...

  • TIO LEI
    14/05/2017 11:00

    Domingo será dada a largada para nós, no BRASILEIRÃO SÉRIE AAA. Muito embora tenhamos disputado as finas do Paulistão, é sabido que nossa equipe "não mexeu tanto assim" com a MAIOR E MAIS APAIXONADA TORCIDA DO INTERIOR. Iniciaremos com um miolo de zaga bastante falho, uma meiuca aguerrida e brigadora, e um ataque que não inspira tanta confiança. Especula-se que o sport não virá com sua força máxima, mesmo assim é time de PRIMEIRA DIVISÃO. Todo cuidado é pouco, CERTO?

12
MAI
Eliandro faz a diferença num Guarani mais bem condicionado fisicamente

Dois aspectos a se considerar nessa vitória do Guarani por 2 a 0 sobre o Brasil de Pelotas, na noite desta sexta-feira no Estádio Brinco de Ouro, na largada do Campeonato Brasileiro da Série B.

Indubitavelmente o atacante Eliandro fez a diferença ao marcar dois gols e ainda ser participativo em outras jogadas agudas.

O condicionamento físico da equipe é melhor comparativamente ao Paulista da Série A2, refletindo em equilíbrio entre os compartimentos da equipe.

Assim, até chegar ao segundo gol, aos oito minutos do segundo tempo, o Guarani foi absoluto em campo, com boa distribuição e alternância de lados para as jogadas.

Na prática, durante aquele período só faltaram ao Guarani mais jogadas de fundo de campo, para explorar cruzamentos nas costas dos lentos zagueiros do time gaúcho.

Evidente que entre os prós nessa vitória bugrina, enumere obrigatoriamente o progresso tático. Todavia, isso não significa que o seu torcedor deva se empolgar.

Claro está que muita coisa ainda precisa ser acrescentada se a equipe não quiser ser apenas coadjuvante na competição.

FALHAS DEFENSIVAS

As alterações de jogadores no Brasil de Pelotas durante o segundo tempo, para torná-lo mais ofensivo, colocou a prova conhecidas deficiências do setor defensivo bugrino, que naturalmente precisam ser corrigidas com entradas de jogadores que estão chegando.

Bruno Souza, que substituiu o contundido Gilton na lateral-esquerda, entrou nervoso e, se o setor fosse devidamente explorado, certamente comprometeria.

A bola aérea defensiva bugrina foi igualmente falha quando cruzada no prolongamento da grande área.

Ficou claro, também, que entre as alterações feitas pelo treinador bugrino Oswaldo Alvarez, o Vadão, faltou aquela com a entrada de mais um volante, notadamente quando o adversário passou a ganhar a chamada segunda bola e a se reorganizar ofensivamente.

E quando o volume de jogo do adversário refletiu em reais oportunidades, apareceu o goleiro bugrino Leandro Santos com duas defesas de realce, além de bola na trave.

O estreante Claudinho deixou impressão favorável no time bugrino pela velocidade, e por ter sido participativo na recomposição defensiva.

A nova característica do time bugrino vai implicar brevemente na saída da equipe do meia Fumagalli, que não acompanha o ritmo dos companheiros.

É começo de trabalho e será preciso conferir o termômetro dos integrantes dessa Séria B do Brasileiro para se projetar aonde pode chegar o Guarani.

  • Eugenio
    15/05/2017 10:08

    Ari, cade o Denis Neves ??

  • TIO LEI
    14/05/2017 11:03

    Começou o campeonato MAIS IMPORTANTE DO PAÍS. Aquele onde o Estado de São Paulo é representado por seus 5 (CINCO) clubes que compões o QUINTETO DAS POTÊNCIAS DO ESTADO. É chegou a hora de separar OS HOMENS DAS CRIANÇAS...Foi dada a largada para o BRASILEIRÃO SÉRIE A. Vamos lá MACACA única e legítima representante e detentora da MAIOR E MAIS APAIXONADA TORCIDA DO INTERIOR DO ESTADO DE SÃO PAULO. POOOONTEEE, MACACA QUERIDAAAA, AMOR DE MINHA VIDAAA, SOU LOUCO POR VOCÊÊÊ

  • TIO LEI p/ Mar
    14/05/2017 11:01

    Caro parceiro...eu acredito que ele tem enganado a todos nós...ali de bugrino NÃO TEM NADA...Acredito até que ele NEM ASSISTIU AO JOGO do gfc. Na realidade ele deve é estar "concentrado" para ir ao NOSSO ESTADIO para assistir jogo de primeira divisão, você não acha?

  • Mar
    13/05/2017 19:37

    Nossa! Estou esperando os comentários profundos do Eduardo sobre o Guarani. ..fala dudu!!!

  • Profeta da Tribo
    13/05/2017 15:14

    Ótimo estrear com vitória. Mas não podemos nos iludir. O Brasil é muito fraco e é candidato ao rebaixamento. As entradas de Eron e Richarlysson vão dar um salto de qualidade ao time. Aí restará termos um zagueiro melhor para o lugar do Jussani e um meia de mais qualidade e mobilidade para substituir o Fumagalli. O veterano jogador deve ser um trunfo para o segundo tempo. Não deve ser titular.

  • João da Teixeira
    13/05/2017 13:43

    Ari, vi os melhores lances do jogo e ontem pela TV agora no almoço e vc. esqueceu de enaltecer o goleiro bugrino, pois não foram somente duas defesas e a trave que salvou o bugre. Um parágrafo só de elogio no post foi pouco para o Leandro Santos. Se Eliandro fez lá na frente, o Leandro Santos garantiu lá atrás. Foi os melhores jogadores em campo. Se o jogo terminasse 2x1 ou 2x2, não haveria nenhuma injustiça no placar, acho que 2x0 foi até demais pelo que o Brasil apresentou.

  • LÉO - PR
    13/05/2017 13:42

    Ari pra quem fala que a série A02 do paulista é várzea sem empolgação o mesmo time fez bom jogo venceu time de primeira divisão. Tirando os quatro grande de s.paulo série A01 E A02 é quase o mesmo nível.

  • olecram
    13/05/2017 13:41

    Tenho impressão que o Guarani joga melhor sem a torcida.

  • João da Teixeira
    13/05/2017 11:40

    BNDES está no centro das investigações da PF que foi deflagrada nesta sexta. A operação investiga financiamentos e investimentos na empresa JBS. Os policiais federais cumpriram mandados de condução coercitiva e levaram 37 pessoas para depor. O buraco é mais embaixo. Se o pau do galinheiro dos políticos já estava sujo, agora acredito que os desvios realizados pelos políticos dentro do BNDS vão extrapolar. Agora a coisa vai ser assustadora no Brasil e Mundial. Esperem e verão.

  • trompete
    13/05/2017 11:39

    mas é uma corneta sem igual qnd se trata do fumagalli hein... meu deus... deixa o cara em paz... unica matérria/analise que li entre todas que critica o fumagalli... ¬¬ Para de cornetar...

  • João da Teixeira
    13/05/2017 11:39

    Começar ganhando é bom e fazer a lição de casa é melhor ainda. Vamos aguardar algumas rodadas e assim podermos ter parâmetros para analisar os times. O Gfc. veio da A2 quase se classificando e o Brasil quase caindo na A1 do gaúcho. Então, estavam meio parelhos, por isso a vitória bugrina mostrou que o Xavante, se não abrir o olho, será escalpelado. Vamos aguardar as rodadas subsequentes e ver quem tem garrafa prá vender...

Confiram as Postagens Anteriores:

1  2  3  4  5  6  7  8  9  10  11  12  13  14 
 

Jornalista esportivo há 40 anos. Trabalhou, como jornalista, nas emissoras de Rádio Brasil, Educadora, Central, Jequitibá e Capital (São Paulo). Nos jornais: Diário do Povo e Jornal de Domingo, ambos de Campinas, e editor de Economia e Opinião do Jornal Todo Dia, de Americana.

Fale comigo