04
ABR
Cartolas da Ponte Preta precisam aprender as ‘mumunhas’ do futebol sul-americano

O músico Guilherme Arantes compôs para a saudosa intérprete Elis Regina a música ‘Aprendendo a Jogar’.

O primeiro trecho cita ‘vivendo e aprendendo a jogar; nem sempre ganhando; nem sempre perdendo; mas aprendendo a jogar’.

Eis a questão: será que os cartolas da Ponte Preta aprenderam a jogar a Copa Sul-Americana, a Sula, dentro e fora de campo?

A história mostra como eles foram inocentes para a preparação daquela final de 12 de dezembro de 2013, contra o Lanús, na Argentina, na derrota por 2 a 0.

Imaginem se na era do ex-dirigente Peri Chaib a Ponte desembarcaria em outro país no escuro, usando logísticas de praxe de jogos em Belo Horizonte ou Rio de Janeiro, por exemplo!

GIMNASIA

Já que a Ponte parte para mais uma Sul-Americana, enfrentando o Gimnasia La Plata da Argentina, na noite desta quarta-feira em Campinas, espera-se que os seus dirigentes tenham aprendido a ‘jogar’ fora de campo, algo imprescindível para não levarem novo drible da vaca.

Quem não me acompanhava na época de certo desconhece que o portal da casa me designou para acompanhar a finalíssima da Sul-Americana na Argentina com pauta livre, ficando acordado que informações triviais sobre a Ponte Preta seriam recuperadas pelo pessoal do FI do serviço de rádio-escuta da redação, através das emissoras de rádio de Campinas.

Assim, me propus descrever o cenário local, e mostrar como aquele Lanús havia se preparado para a decisão.

A primeira surpresa foi a constatação de meia dúzia de campos inseridos naquele formoso centro de treinamentos. A estrutura permite que abrigue desde escolinhas de futebol até atividades dos atletas profissionais.

Aqueles portões principais escancarados do Estádio La Fortaleza era tudo que eu queria para me afundar.

SALÃO DE FESTA E ALGAS

De cara mais uma surpresa: dirigentes do Lanús contrataram empresa de decoração a fim de que o salão de festa do clube estivesse preparado para a confraternização do título.

Sem me identificar, conversei informalmente com o decorador e transcrevi em detalhes como já cantavam com o ovo ainda no ânus da galinha. E tudo devidamente fotografado (veja imagem na página).

Depois, com a vista panorâmica do estádio, foi inevitável a desconfiança de que a capacidade seria para 40 mil pessoas, conforme exigência da Conmebol constante em regulamento, o que obrigou a Ponte Preta a transferir o mando de seu jogo contra os argentinos para o Estádio do Pacaembu.

Acreditem: cerca 36 horas para início do jogo o flagrante de água empoçada no fosso que separa as dependências sociais do gramado, atingindo cerca de um metro de altura.

O entupimento da canalização deu-se por causa de algas (conforme foto na página) que se proliferaram e taparam os buracos para escoamento. Assim, uma empresa terceirizada havia sido contratada às pressas para retirá-las com peneiras, reabrir os buracos e normalizar a situação.

Sei lá se era o caso de a Ponte Preta questionar a vigilância sanitária da Argentina sobre aquela água parada alguns dias naquele local. De certo a assessoria de imprensa do clube sequer procurou se informar do material divulgado pelo FI.

CALÇADÃO

Por fim, aquela concentração monstruosa de torcedores do Lanús tingidos de bordô num calçadão semelhante ao convívio de Campinas - a um quilômetro do estádio - era prenúncio de pressão total durante o jogo. Que seria colocado em prática a operação ‘passar por cima’.

Com todos aqueles indicativos, poderia se suspeitar também que a arbitragem poderia pender para o time da casa.

A rigor, o primeiro tempo lembrou a viciada arbitragem brasileira do passado de minar o adversário invertendo faltas ou marcando-as de acordo com a conveniência.

Como o Lanús assegurou a vitória no primeiro tempo, com a vantagem por 2 a 0, tem-se que registrar arbitragem corretíssima durante o segundo tempo.

  • João da Teixeira
    05/04/2017 15:14

    Kleina me pediu emprestado a minha "corneta" e disparou uma nota aguda, para os surdos dirigentes da Ponte ouvirem em alto e bom som, "Não podemos trabalhar só com apostas". Será que praticamente 4 meses, a torcida vem batendo na mesma tecla e precisou o Kleina "tocar o trompete" para os caras ouvirem? Precisamos de jogador para atuar como ator principal e não coadjuvante. Como dizia Simonal: "Nem vem de escada que o incêndio é no porão!

  • Rodrigo U.
    05/04/2017 15:14

    Pessoalmente, considero que a final no Pacaembu foi melhor para a Ponte, estive presente na partida e posso garantir que nunca vi uma mobilização tão grande da torcida, simplesmente umas das memórias mais preciosas que tenho relacionada ao futebol. A verdade é que o elenco tinha limitações técnicas, também sentiu a pressão do segundo jogo, tendo ainda a obrigação de fazer o resultado. Consideraria uma decisão acertada em caso de uma eventual final levar novamente para o Pacaembu.

  • RMaia
    05/04/2017 15:13

    Ari daria pra fazer um bom melhores piores momentos daquela decisão. Teve o fogo amigo do reizinho Carnielli, que sentiu que aquele título faria Marcio Dela Volpe crescer politicamente, Márcio seria lembrado como o cara que conquistou a primeira estrela no uniforme da Ponte e ameaçaria seu poder. Limitação do elenco, lateral Uendel se contundiu, Jorginho deslocou Bob e por falta de opção escalou o volante Magal no lugar de Bob, todos sabíamos que aquilo não tinha como dar certo.

  • João da Teixeira
    05/04/2017 15:12

    Falando em jogos da sulamericana, hoje coincidentemente teremos dois jogos no mesmo horário, às 19h15, Deportivo Defensa y Justicia (ARG) x São Paulo na Fox1 e Ponte Preta x Gimnasia Y Esgrima de La Plata (ARG) na Fox Sports 2. Para todos os gostos, mas adivinha qual dos dois jogos, a torcida 3% de Campinas assistirá? Mais um time para se torcer. Tem bugrino que hoje se veste como um gaiteiro, de bandoneon e tudo mais...

  • João da Teixeira
    05/04/2017 09:44

    Os cartolas da Ponte precisam aprender um monte de coisas. Estão gatinhando em solo brasileiro, imaginem em solo estrangeiro. Está certo que era a primeira vez que estava fazendo um campeonato oficial envolvendo times, digamos estrangeiros e o Lanus era o time de ponta o campeonato Argentino da época, mas mesmo assim, exigiram um monte de coisas nossas e deles mesmo, nada. Inclusive o seu estádio acanhado, onde o nosso equivalia e mesmo assim fomos obrigados a jogar no Pacaembu

  • Ruz
    05/04/2017 00:05

    Eles estão em sétimo no campeonato Argentino.

03
ABR
Vitória do Bragantino sobre o Rio Claro foi bem-vinda para o Guarani

A vitória do Bragantino sobre o Rio Claro por 3 a 2, em Bragança Paulista, na noite desta segunda-feira, teria melhor ou pior para o Guarani? E o placar poderia ter sido ampliado se o árbitro Raphael Claus tivesse marcado pênalti claro de Alê, do Rio Claro, sobre o volante Adenilson.

Depende do ângulo que o bugrino analisar essa vitória dos mandantes. Considerando-se que os 25 pontos conquistados pelo Bragantino propiciaram que matematicamente entrasse no páreo por vaga à fase semifinal do Campeonato Paulista da Série A2 - apenas um ponto atrás do Guarani -, cabe também avaliar que o resultado serviu para segurar o time rio-clarense nos 27 pontos, apenas um à frente do Guarani.

Teoricamente a vitória do Braga tem mais é que ser comemorada, independente da aproximação do G4.

Por que? Dê uma analisada nos próximos adversários do Bragantino nas quatro últimas rodadas. Vai a Taubaté no próximo sábado. Recebe o Oeste. Sai novamente para enfrentar o Penapolense; E encerra a fase em casa diante do Votuporanguense.

O Bragantino vinha de três partidas sem vitórias. Em seus domínios havia perdido para o União Barbarense por 2 a 0 e empatado com o XV de Piracicaba por 1 a 1. Em Rio Preto, ficou no empate por igual placar.

Logo, essa instabilidade provoca suspeita de que vai ganhar 10 dos 12 pontos ainda em disputa.

RIO CLARO

Ao permanecer com 27 pontos, o Rio Claro fica embolado entre os pretendentes às vagas.

Teoricamente isso pode até ser melhor para o Guarani, que até sonha avançar mais uma posição na antepenúltima rodada da competição: a terceira.

Isso seria possível na hipótese de vencer a Portuguesa e o Rio Claro não passar pelo Juventus, na capital paulista.

Convém ressaltar que a Portuguesa embalou nas três últimas partidas, com vitórias sobre Barbarense (1 a 0), Penapolense (2 a 1) e Rio Preto (2 a 1). Logo, não se pode afirmar categoricamente que o Bugre vai atropelá-la na manhã do próprio domingo.

  • Marcio
    04/04/2017 22:43

    Aí sim um comentário de alto nível e construtivo. Parabéns Tio Lei. que apesar de ser rival, tem a grandeza de comentar algo dessa forma, independente dos sarros de outras vezes, que acontecem dos dois lados e que faz parte de uma rivalidade saudável.

  • João da Teixeira
    04/04/2017 19:34

    As coisas, para o bugre, estão se encaixando igual a final de montagem de um jogo de 3.000 peças de quebra-cabeça, manja aqueles complicados da Grow? No final parece que vc. acha tudo, não erra o encaixe de nenhuma peça, todas entrando com uma luva. É o que parece que está acontecendo com o Gfc. Ontem o Braga, que estava sendo a UTI da A2, acabou engrossando o caldo do Rio Claro, ajudando em parte o bugre e complicando a classificação do Azulzinho.

  • Tozin p/ Eugênio
    04/04/2017 19:33

    Eu me perguntei a msm esses dias... Meio estranho isso, e o elenco nem é grande

  • Eugenio
    04/04/2017 12:19

    Ainda nao entendo a ausencia do Rogerio Paraguaio q nem no banco tem ficado ... e o Ernani e Escobar sera q sao tao piores q os outros ?

  • TIO LEI
    04/04/2017 12:19

    Que bom para o futebol de Campinas, SE o gfc conquistar o acesso. Que bom será vermos um novo derby. Sim, pois apesar do RBB ter tomado a vaga bugrina, a tradição ainda é indispensável em nossas vidas. Claro que em momento algum, torço por vitória bugrina. Mas falar em tradição, emoção e rivalidade, claro seria que ambas as equipes PUDESSEM disputar a mesma competição, mas no mínimo A PRINCIPAL competição do estado. Parabéns Vadão, pelo excelente trabalho até aqui realizado.

  • Profeta da Tribo
    04/04/2017 09:40

    De fato. A final será entre Guarani e São Caetano.

  • João da Teixeira
    04/04/2017 09:39

    Pois é, estava botando fé no Rio Claro, mas já vi que nessas rodadas finais de classificação da A2 está difícil de apontar um. O negócio será jogar tudo para cima e ver quem são os 4 que ficarão em pé. Não dá para apontar ninguém nesse momento, tal a instabilidade dos times. A exceção é o time bugrino, que engatou uma 5ª marcha e está difícil de segurar. Esperamos que não fique sem freio até o final e cause acidente vascular na comunidade...

  • João da Teixeira
    04/04/2017 09:38

    Ari, como se desse para fazer previsões. A instabilidade da maioria dos times que estão na disputa pela classificação, exceção do bugre, que entrou no G4 essa semana, vindo de seguidas vitórias contra adversários do G4 ou próximo a ele, o restante, é uma temeridade prever alguma coisa. Deram moral para a Lusa, que é a divisora de quem quer alguma coisa e de quem não tem mais chance, mas ela só vai chegar, se conseguir ganhar do bugre, caso contrário, ... Lula pá Lusa!! rs, rs,...

  • João da Teixeira
    04/04/2017 09:37

    Ari, mas vamos falar de coisas edificantes e não elucubrando coisas sem sentido. Amanhã a Ponte estreia na Sulamericana contra o Club de Gimnasia y Esgrima La Plata, no Majestoso. Um jogo secular entre Ponte, que tem praticamente 117 anos de vida e o Gimnasia y Esgrima, com 130 anos. Esperamos que faça um bom jogo e ganhe do time "El Lobo", que se encontra com 30 pontos e em 7º lugar no campeonato argentino, 10 pontos a menos que o líder Boca.

Confiram as Postagens Anteriores:

1  2  3  4  5  6  7  8  9  10  11  12  13  14 
 

Jornalista esportivo há 40 anos. Trabalhou, como jornalista, nas emissoras de Rádio Brasil, Educadora, Central, Jequitibá e Capital (São Paulo). Nos jornais: Diário do Povo e Jornal de Domingo, ambos de Campinas, e editor de Economia e Opinião do Jornal Todo Dia, de Americana.

Fale comigo