14
NOV
Palmeron quis jogar pra torcida ao antecipar a demissão de Louzer

Três outras colunas no ar. Informacão mostra cachorro da GM de Monte Mor capturando procurado da Justiça. Áudio Memórias do Futebol fala do saudoso lateral-esquerdo Vacaria. Em Anda Campinas, GP Ciclismo de Campinas.

Palmeron Mendes Filho, presidente do Guarani, quis jogar para a torcida fora de hora.

Não se contesta a demissão do treinador Umberto Louzer, até porque o Guarani carece de um profissional mais experiente para comandar o elenco.

Todavia, nada impedia que Louzer permanecesse no comando da equipe até o final da competição, até porque nenhum planejamento será feito de imediato visando a temporada de 2019.

Como parte considerável dos bugrinos está descontente com o trabalho de Louzer, Palmeron transferiu simplesmente a responsabilidade para acalmar o torcedor, quando o prudente seria lembrar o seu projeto de início do Campeonato Brasileiro da Série B, ocasião em que incontáveis vezes citou que o Guarani faria uma campanha de manutenção, e o que viesse seria lucro.

COGESTÃO

Sem que haja definição do parceiro na cogestão para 2019, pressupõe-se que o planejamento esteja na estaca zero. E assim estando, nada oporia Louzer terminar a competição no comando do time.

De modo geral, o saldo dele é positivo no Guarani, pois atingiu o acesso ao Paulistão.

Como principiante na função de treinador, claro que tem muito para amadurecer.

À distância depreende-se que seja um comandante paternalista, pois demora pra sacar do time jogadores que não correspondem.

Também não demonstrou variações de esquemas de jogo, em conformidade com o adversário e necessidade do momento.

Por isso demora para mexer na equipe, e nem sempre troca a peça que deveria trocar.

Considerando-se que o estágio no Guarani serviu-lhe de aprendizagem, que é estudioso e dedicado pra vencer na função, a tendência natural é que progrida nas passagens por outros clubes.

  • Carlos Wutke Barwick
    18/11/2018 15:59

    Estamos falando de politica oh futebol?

  • João da Teixeira
    17/11/2018 19:47

    Grito de guerra dos aficcionados torcedores do Academicos do Madureira do São Bernardo nos carnavais da Glicério: "É Madureira, ooooba! É Madureira, ooooba! Mas só dava o Academicos do Ubirajara. Bons tempos...

  • João da Teixeira
    17/11/2018 19:39

    O juizinho fazedor de resultados está operando o CRB em Londrina, sem anestesia. Só ele que viu o penal e ainda intimidou todo time do CRB que reclamava com razão. Ê futebolzinho danado esse aqui no Brasilzinho ...

  • TIO LEI
    16/11/2018 20:38

    .... CORREÇÃO ... Antes que venham falar asneiras, fui traído pela memória ... ACADÊMICOS DE MADUREIRA.

  • João da Teixeira
    16/11/2018 17:37

    Eu pelo menos não entendi o comentário sobre ser pontepretano, bolsonarista e sentar na massa no meio de afrodescendentes e ficar com o cú na mão...Não entendi. Se puder esclarecer para que pudesse entender... Por sinal massa de torcedores afrodescendentes também tem no Gfc...

  • Carlos Agostinis
    16/11/2018 17:36

    Paulo Sergio, faço minhas as suas palavras...É exatamente isso que acontece nos dois clubes de Campinas, porém na sua ponte, os dirigentes foram sensatos e trouxeram o GK , deram a ele total liberdade pra escalar, mudar esquema e fazer o time voar. Quisera eu que tivessem feito o mesmo no meu Bugre. Mas lá o interesse é outro, e não do clube e sua torcida, infelizmente. Tomara que seu time suba, quem sabe assim os dirigentes do Bugre se enxerguem.

  • Carlos Agostinis
    16/11/2018 17:35

    Desta forma, fariam algo em prol do Guarani e sua torcida, que é tão apaixonada quanto a de vocês. Gostaria mesmo de ver algum desses babacas, se preocuparem com o futuro do Guarani, e não dos próprios.

  • TIO LEI (1)
    16/11/2018 17:34

    Revestiram Bolsonaro como RACISTA. Só porque ele quer IGUALAR o cidadão brasileiro independente de sua cor ou credo. Não obstante, esse imbecil que apoia A MAIOR QUADRILHA já montada em solo brasileiro, vem taxar A TODOS os que votaram no MITO como sendo racistas. Meu caro já começo a imaginar voce jogando no mesmo time do pablo vitar, afinal, ambos votaram no Ladrad. Isso confere? ....

  • TIO LEI (2)
    16/11/2018 17:29

    Só pra seu governo, sou descendente de alemães, nascido no S. Bernardo, isso a 64 anos, sempre convivi E MUITO BEM entre toda especie de ser humano, fui passista do Unidos do Madureira, criado e vivido em um ambiente de muita amizade entre, (como você que separar) brancos e negros, sendo um de meus grandes amigos, o jogador JOÃO JUSTINO DO AMARAL, que os bugrinos conhecem tão bem. Então não fale besteiras, com discriminação de raças e vá roldar bolsinha na 13.

  • João da Teixeira
    16/11/2018 12:57

    Mas maravilha mesmo é os deputados do Rio que já estão presos a quase um ano e continuam recebendo os salários integrais com direito aos auxílios, verbas de gabinete e tudo mais. Eu, vc. ou seja, todos os brasileiros estão pagando esse "salário reclusão". E que salário, hein? O negócio é por tudo num navio e jogar a 200 milhas náuticas, ou seja fora do Brasil, porque se não os direitos humanos vem pegar no nosso pé.

  • João da Teixeira
    16/11/2018 12:56

    Criador das cores do uniforme da seleção, morre em Pelotas no RS Aldyr Garcia Schlee. Antes de sua criação ganhadora do concurso, a seleção jogava toda de branco, com detalhes em verde e amarelo e ou camisas azuis e calções brancos (2º atual uniforme). A mudança das cores do uniforme principal se deu devido aquele jogo fatídico contra o Uruguai em 1950, onde o Brasil jogou de branco e se deu mal (Maracanazo).

  • Marcio
    16/11/2018 12:55

    Percebe-se que esses babacas que se dizem ponte pretanos bolsonaristas e racistas sentassem na massa, onde tem muitos negros, queria ver esses babacas com o c u na mão....

  • João da Teixeira
    16/11/2018 12:54

    O lance cavernoso de hoje são as bobagens que Neymar falou sobre os 4 anos sem fazer gols de falta da seleção. Disse que isso não é o foco. Será que ele não sabe que a seleção brasileira sempre se primou em ter bons cobradores de falta? e o motivo é simples, o time sempre foi caçado em campo devido a habilidade dos seus jogadores e as faltas na cabeça de área são muito comuns, portanto deveria sim ser o foco de qualquer selecionado, ainda mais do Brasil, em ter bons cobradores

  • João da Teixeira 1
    16/11/2018 12:53

    Único quadro do pintor Pollock que podia ser visto no Brasil foi posto a venda, mas não conseguiu lance mínima no leilão realizado. A obra foi doada ao MAM em 1952 pelo empresário americano "podi di rico" Nelson Rockfeller. Como se trata de uma doação ou seja um presente, ficou feio querer se desfazer da obra. Mas pior que isso aconteceu com o quadro "Abaporu" da brasileira Tarsila do Amaral, que foi vendido e ninguém do Brasil se dispôs a comprá-lo. Quem comprou? Um ...cont.

  • João da Teixeira 2
    16/11/2018 12:52

    cont. Quem comprou o Abaporu? O empresário argentino Costantini e, que outro dia, em Bs As, tive oportunidade de vê-lo no MALBA Museu de Arte Latinoamericano de Buenos Aires pela bagatela de 20 reais (180 pesos). É por essas e outras que o Brasil gatinha entre outras nações e pasmem, não de outros continentes, mas sim entre nações da América do Sul. E aí vem nego falar que não precisávamos trocar o comando do país? Qualquer um será melhor que os governantes dos últimos 35 anos

« Anterior : [ 1 ] 2 : Próxima »
13
NOV
Mesmo recuada, estratégia da Ponte foi correta na vitória sobre o Coritiba

Torcedor pontepretano está pouco ligando pela falta de um futebol técnico na vitória por 2 a 0 sobre o Coritiba, na noite desta terça-feira em Campinas. Interessa-lhe que o time chega à última rodada mais vivo de que nunca, dependendo de uma vitória sobre o Avaí para conquistar o acesso neste Campeonato Brasileiro da Série B.

Críticos de futebol até contestam o comportamento do time pontepretano, que admitiu um falso domínio do Coritiba, e deu preferência para jogar atrás da linha da bola, a partir do momento que abriu o placar aos quatro minutos, numa arrancada do lateral-direito Ruam. Aí, no cruzamento, o lateral coritibano Leandro Silva marcou gol contra.

Neste cenário, é preciso ser interpretado a acertada proposta que o treinador pontepretano Gilson Kleina colocou em prática.

O compartimento defensivo do Coritiba é extremamente lento, portanto um convite para que se seja explorado no contra-ataque quando desprotegido. E isso ocorreu no lance que originou o segundo gol, quando num toque objetivo o meia Matheus Vargas colocou o atacante Júnior Santos em condições de finalizar com sucesso, aos 38 minutos.

ADVERSÁRIO LENTO

Taticamente foi acertado o estilo adotado por Kleina, pois sabia-se de antemão que o time coritibano é lento, sem criatividade, alguns jogadores mal condicionados fisicamente, e que a bola seria rodada sem objetividade.

A rigor, mesmo em desvantagem no placar, durante o primeiro tempo, o Coritiba recuou excessivamente a bola, evitando jogadas de confronto direto e estilo vertical.

Logo, bastaria o sistema de marcação da Ponte não falhar para não correr risco, o que de fato ocorreu exceto em dois lances.

Primeiro em furada geral quando a bola se ofereceu ao volante Simião, dentro da área, e o chute foi na lua.

Depois quando Barcelos perdeu disputa pelo alto do lateral Leandro Silva, mas a cabeçada foi pra fora.

Afora isso, a Ponte soube se defender e criou magnífica troca de passes até que Roberto, na tentativa de finalização, foi travado aos 47 minutos do segundo tempo.

A inexpressividade do Coritiba ficou ainda mais evidente quando o imprudente volante João Vitor, da Ponte Preta, foi expulso por jogada violenta sobre Matheus Bueno, aos 13 minutos do segundo tempo.

Nem parecia que a Ponte passou a atuar com um homem a menos, pois o Coritiba não trabalhava a bola em velocidade.

Portanto, estratégia acertada de Kleina para que a Ponte não corresse risco, e tivesse chance de ampliar a vantagem, como de fato ocorreu.

CONTRA O AVAÍ

Certamente mesma estratégia será adotada diante do Avaí, principalmente se o adversário estiver na dependência de vitória.

O Fortaleza soube suportar a pressão do time catarinense no sábado passado. Resta saber se a Ponte também conseguirá.

  • TIO LEI
    15/11/2018 00:18

    E não é que aquela turminha dos 3% poderá realmente discordar desse percentual!!!! Agora podem até ser chamados de turminha dos 10%. Sim DEZ POR CENTO. É só fazer as contas direitinho. 11.000 no MAJESTOSO e lá na magnum/arena 1.100. Pronto. Tá ai, a conta fechou.

  • TIO LEI
    14/11/2018 17:13

    R.Maia esta coberto de razão. Com esse time , tudo é possível, nada esta fora dos parâmetros. Somente após o encerramento do jogo contra o avai é poderemos comemorar ou lamentar. Se bem que para quem já tinha "entregado os pontos" claro que a surpreendente reação tornou uma agradabilíssima surpresa. Agora é só esperar, mas de uma coisa tenho certeza, mesmo que não consiga o acesso, não haverá muito o que lamentar, face a pífia campanha que desprendemos até poucos dias atrás.

  • João da Teixeira
    14/11/2018 17:11

    Aquele samba de Martinho da Vila para sua escola Vila Isabel em 1980, que diz: "Sonhei, que estava sonhando um sonho sonhado. O sonho de um sonho, magnetizado..." Essa é a sensação que os torcedores da Ponte ficaram no jogo de ontem. e agora, tem mais um, vai ficar no sonho ou será materializado? E aí jogadores? Aquela letra do samba do Raça Negra, "...A poderosa é você! Vou nadar e morrer, na beira da praia, se não tiver vc..." Nadar e morrer na beira da praia? Não dá, né?

  • João da Teixeira
    14/11/2018 17:10

    A "turminha mista", que vai torcer para o Londrina, vai aparecer aqui somente se não subirmos para a Série A. Vão vir aqui com aquela conversinha de "nunca serão", "nadou, nadou e morreu na praia" etc... Mas o mais importante, dos 6 pontos disputados, levamos 4, portanto, melhor ficarem quietos curtindo a ressaca e a dor de cotovelo merecida...

  • João da Teixeira
    14/11/2018 12:04

    Ontem o Majestoso pulsante com mais de 10 mil torcedores e a expectativa do time subir. Como o CSA e o Avaí se enfrentam nesse fim de semana, a Ponte fica no G4 até o início da última rodada. Todos na expectativa, mas sabemos que agora será uma grande frustração não atingirmos o objetivo, por isso os jogadores precisam estar imbuídos do que precisam fazer pra alcançar o objetivo. Não vai adiantar nada as 7 vitórias, se no jogo final não conseguirmos os pontos necessários.

  • RMaia
    14/11/2018 12:03

    Só acreditarei realmente no acesso depois que o juiz apitar o final do jogo contra o Avaí. Enalteço sim o excelente trabalho do Gilson Kleina faz, mas o que ele faz de diferente que outros não fizeram com esses elenco pífio? Creio que 100% dos pontepretanos ainda não conseguem acreditar que a Ponte conseguiu chegar na última rodada disputando acesso. Mas se subir os erros da diretoria serão perdoados?? De maneira alguma!!!

  • RMaia (1)
    14/11/2018 12:03

    Se a Ponte conseguir acesso, Abdalla sairá muito fortalecido na guerra política com o reizinho Carnielli, poderá não ser um tiro fatal no reizinho, mas vai mandá-lo pra UTI. Márcio Della Volpe quase conseguiu isso, mas sem o título da sulamericana e rebaixado no brasileiro, perdeu a guerra e foi trucidado. Abdalla se precipitou ao demitir Brigatti, errou com Chamusca, porém acertou com Kleina e irá colher os frutos políticos dizendo que conseguiu acesso sem as digitais do reizinho.

  • TONY
    14/11/2018 12:02

    Super técnico! Merece o título da cidade. Ótima partida do Ruan, Renan e Júnior Santos. E que merda fez o João Vitor,vchinelinho que só mamou na Ponte por 2 anos e ontem quase joga nossos só hospital no lixo.

  • João da Teixeira
    14/11/2018 12:01

    O maldoso e pouco inteligente João Vitor tem que aprender que até para bater tem segredo. Tem que saber abrir a "caixa de ferramentas" adequadamente e no momento certo. Poderia ter comprometido o jogo ontem, pois foi expulso no início do 2º tempo e se o Coritiba estivesse com um time um pouco mais equilibrado tecnicamente, nossas pretensões poderiam ter ido para, digamos, como foi o time tupiniquim, para a cucuia. O João Vitor até que ajuda, mas tem hora que enche o saco...

  • João da Teixeira
    14/11/2018 09:03

    O problema da Ponte ainda é a técnica e por isso não podemos afirmar que subiremos para a Série A. Afinal o jogo decisivo é contra um dos melhores pretendentes para a vaga e pior, o jogo é na casa do adversário. Quem sabe o oráculo do Ari, que previu não precisarmos de uma vitória no jogo final, não nos bafeja com mais esse presente. Quem sabe o CSA não ganha o jogo e dá um jeitinho para nós. O Gfc mesmo vai ganhar do Londrina... Ganhar o que a Luzia ganhou atrás da horta...

  • Barba
    14/11/2018 00:28

    Fantastica vitória!! Busto para Kleyna! Time herói e que bom que o João Vitor não viaja!! Outro Rodrigo da vida! Ruaaa!

Confiram as Postagens Anteriores:

1  2  3  4  5  6  7  8  9  10  11  12  13  14 
 

Jornalista esportivo há 40 anos. Trabalhou, como jornalista, nas emissoras de Rádio Brasil, Educadora, Central, Jequitibá e Capital (São Paulo). Nos jornais: Diário do Povo e Jornal de Domingo, ambos de Campinas, e editor de Economia e Opinião do Jornal Todo Dia, de Americana.

Fale comigo