06
JUN
​Vitória no final não apaga fraco rendimento do Guarani sobre Boa Esporte

Futebol é um treco caprichoso. O Guarani não fez o suficiente para vencer o Boa Esporte, mas venceu por 2 a 1, na noite desta terça-feira no Estádio Brinco de Ouro.

Há quem acompanha o sopro do vento e fecha os olhos para o pobre futebol do time da cidade, para não contrariar fanáticos torcedores que olham apenas os números.

Tinham razão aqueles bugrinos que vaiaram o time a partir da metade do segundo tempo, insatisfeitos com erros até de passes de três metros.

De repente, aos 44 minutos do segundo tempo, em bola alçada à área do time mineiro, o zagueiro William Rocha cabeceia longe do alcance do goleiro Luan Poli e o Bugre vence.

Nem por isso, claro, seria recomendável acompanhar o sopro do vento. O bugrino não pode se deixar enganar pela vitória.

Evidente que ela ganha importância pela somatória de nove pontos neste Campeonato Brasileiro da Série B, mas não se abre perspectiva positiva para a equipe sonhar com voos mais altos.

Postura exigente? Não. O goleiro Luan, do Boa, não praticou uma defesa sequer ao longo da partida.

QUATRO VEZES

A rigor, o Guarani chegou quatro vezes contra a meta do Boa Esporte.

Primeiro em jogada pessoal do atacante Eliandro que, após desvencilhar de três adversários, a bola chegou ao meia Fumagalli, travado na tentativa de finalização. Na cobrança de escanteio, quando Luan Poli saiu mal da meta, Eliandro errou o chute.

Depois, em cruzamento da esquerda que Eliandro escorregou e enganou a zaga mineira, no chute de Fumagalli a bola chegaria no goleiro Luan, mas foi desviada pelo lateral-esquerdo Paulinho. Gols aos 45 minutos.

No segundo tempo, Josué travou chute de Claudinho que poderia preocupar o goleiro Luan, e, no final, o gol do zagueiro William Rocha.

LEANDRO SANTOS

Considerando-se que o goleiro Leandro Santos defendeu chute com efeito do meia Felipe Matheus, corrigiu hesitação de Jussani e William Rocha em bola que rondou o seu gol, e o Boa Esporte havia chegada à marcação do empate em cabeçada do atacante Wesley, o empate se ajustaria mais ao rendimento de ambas equipes.

O Boa utilizou a tradicional duas linhas de quatro, marcou forte no meio de campo, e aí sucumbiu o meia Bruno Nazário, que tem sido o diferencial da equipe na criação de jogadas.

Sem que fosse abastecido adequadamente, Eliandro acabou absorvido na maioria das jogadas.

Soma-se, mais uma vez, a ineficiência do meia-atacante Claudinho, irregularidade dos volantes Auremir e Evandro, incrível timidez do lateral-esquerdo Salomão, e apenas voluntariedade do lateral-direito Lenon.

Neste diapasão, não se poderia esperar muita coisa do Guarani. Por isso, seu torcedor tem mais é que comemorar três pontos conquistados já fora de cogitação no final da partida.

Quanto ao Boa Esporte, embora mais bem distribuído em campo e com méritos na marcação, houve queda no aspecto físico de jogadores como o atacante Rodolfo e meia Felipe Matheus.

O time mineiro não já mostrou velocidade na transição ao ataque, como visto ano passado no Campeonato Brasileiro da Série C.

  • Marcio
    07/06/2017 20:10

    Ari você foi no x da questão, o Vadão é um cara gente boa, sério, trabalhador, conhecedor do futebol, mas mais preocupante é essa "passividade" dele. Esperamos que. apesar de todas as limitações que todo mundo sabe, ele consiga colocar no time o que tem de melhor.

  • João da Teixeira
    07/06/2017 18:45

    Ari, vc. tem "salvo a minha pele" inúmeras vezes e indiretamente, por ser dono do blog, a sua. Mas que eu não falei mentira, não falei. Pobre Poder Judiciário que possui em seus quadros um Ministro intimamente ligado ao Presidente e ao PMDB. Infelizmente foi alçado ao cargo por indicação desses, por isso eu acho que os Ministros do STJ, do TSE e do STF deveriam sair do Poder Judiciário, escolhidos por seus pares e não indicados por "políticos" desonestos. Ari, falei mentira?

  • João da Teixeira 1
    07/06/2017 18:43

    Não é esse tipo de ação que irá revigorar o nosso futebol. Não será o meu e o seu comentário, se preocupando com o estado de coisas no futebol, que talvez irá sensibilizar num primeiro instante a coletividade. Precisamos talvez de uma Campanha de grosso calibre e para tanto necessitamos sensibilizar uma CBF, as TVs em geral. Uma Campanha começando por sensibilizar os pais a apresentar algum esporte ao seu filho bem cedo. O futebol por ser esporte coletivo, de preferência. cont.

  • João da Teixeira 2
    07/06/2017 18:43

    cont. Com relação à escola de dribles seria um passo mais à frente. O que precisamos mesmo é de mais gente praticando o esporte desde cedo e talvez aqueles campinhos de futebol em terrenos baldios e pastos, ficou no passado, em nossos sonhos. Hoje os pais não deixariam seus filhos jogarem num lugar desses. Nem a molecadinha em fase de "aborrecente" encararia um campo de terra, ainda mais esburacado. Em lugares pobres, sem opção, até fariam a iniciação nesse tipo de cancha. cont.

  • João da Teixeira 3
    07/06/2017 18:42

    cont. Agora o fundamental, é retirar o smarthphone da molecada nesse período de iniciação, já está na massa do sangue da molecada o uso de celular, essa sim foi uma campanha plena, total geral, global da internet, que pegou todas as faixas de idade nessa "doença". A molecada é capaz de ir jogar com o celular na mão, como faz hoje os motoristas dirigindo, que batem, atropelam, matam e se matam no uso dessa epidemia digital"...

  • João da Teixeira
    07/06/2017 13:12

    Não entendo como o Gilmar Mendes defende, nas entrelinhas, gente desonesta. A última dele foi "...sobre quantos políticos são cassados pelo TSE, e ficam eles assustados. Porque dizem: estão cassando mais do que a ditadura, e é uma Justiça que se pretende ser democrática”. Ainda bem que o juiz Benjamin trucou, "As ditaduras cassam quem defende a democracia. O TSE cassa aqueles que vão contra a democracia.", uma enorme diferença. Olha!

  • Tito
    07/06/2017 13:08

    Pior que o futebol que o Guarani tem apresentado é a gestão desse CA, que não tem competência e nem coragem para assumir de vez o compromisso para o qual se candidatou. Vivem à sombra do Horley, que convenhamos não foi nenhuma primazia de administração.

  • DE ARI PARA MARCIO
    07/06/2017 13:08

    Prezado Márcio, o Vadão também lamentou o rendimento do time, mas ele tem culpa no cartório. Claro que ele é um profundo conhecedor do futebol, mas tem sido muito corporativista com o elenco, ao não mexer no time. Já deveria ter colocado William Rocha. O volante Dener é melhor de que Evandro. Será que não tem substituto para Claudinho? Tudo isso sem contar que Fumagalli não tem força pra correr.

  • Marcio
    07/06/2017 13:01

    Fraco não Ari...fraquíssimo! Não podemos ficar contando com a sorte. Vamos aguardar a entrada de outros jogadores como disse o Roberto para poder analisar melhor. Na matéria de um canal de televisão vi uma imagem do Vadão em um treino e que parecia "meio" desanimado ou seria nóia da minha parte ?

  • Mar
    07/06/2017 12:16

    Cade , os comentarios profundos do Eduardo? Fala Dudu?

  • RMaia
    07/06/2017 12:16

    Não sei porque tanta surpresa e reclamação, time não convenceu ok, mas venceu e 3 pontos em casa é o que importa. Não exijam mais do que esse elenco pode oferecer. Todos sabemos que o time vai ser água de salsicha no torneio, cabe só a diretoria pagar os salários em dia pra não correr riscos. Quem tem de mostrar serviço mesmo é o Inter - RS, que tem orçamento de R$ 60 milhões, mais de 10 vezes o do Bugre e 2 vezes o da Ponte que disputa Série A.

  • João da Teixeira 1
    07/06/2017 12:15

    Como política faz parte do contexto atual, quando indagaram Temer, se ele tinha afinidade com Joesley "JBS" Batista, disse que o conhecia somente como um mero empresário, sem muita proximidade. Agora imaginem se fossem próximos, íntimos o que seria. Deveria rolar até um "swing", onde tudo é permitido, mas nada é obrigatório, vcs, sabem, né? Idade já avançada etc. Jatinho pra lá e pra cá, Transamérica-Comandatuba, etc e tal. Diário de bordo entregou tudo. Lógico que ...

  • João da Teixeira 2
    07/06/2017 12:14

    cont. Lógico que não são amigos, se fossem, um não entregaria o outro. Era somente jogos de interesses, um querendo algo do governo, do povo brasileiro, para ganhar mais dinheiro e ou outro, "representante do povo brasileiro" pedindo contra partida para benefício próprio. Parceiros de negócios escusos. O que não dá para entender é por que a PF e depois o STF aceitaram os Batistas da "JBS" saírem sem serem punidos exemplarmente. E o dinheiro do BNDS? Brasilzão velho de guerra...

  • Roberto
    07/06/2017 12:13

    O TIME É PRATICAMENTE O MESMO DA A-2, O QUE VCS ESPERAVAM ? UM BARCELONA EM CAMPO ? O IMPORTANTE FOI A VITÓRIA, ATÉ PORQUE NÃO É ESSE O TIME TITULAR, COM CERTEZA TEREMOS NO MÍNIMO 04 OU 05 MUDANÇAS. AI SIM PODEMOS COBRAR

  • João da Teixeira
    07/06/2017 12:13

    A torcida bugrina anda cantando "Cade voce, que nunca mais apareceu aqui..." ou plagiando, o time "tomou Doril e ...". Será que é falta de dinheiro. O que não dá para entender, numa série B, que tem visibilidade, por que os dirigentes não conseguem um patrocinador master para o bugre. Será que meter o pau na propaganda dos outros, acabou afastando os empresários do bugre ou é falta de vontade mesmo. Não dá para entender, só os bugrinos da ASA e do CDE que põe a cara para bater?

« Anterior : [ 1 ] 2 : Próxima »
05
JUN
Público em jogos da Ponte no Moisés Lucarelli continua decepcionante

Público de 6.246 pessoas não condiz com a tradição de um duelo paulista entre Ponte Preta e São Paulo, num domingo à tarde no Estádio Moisés Lucarelli, em Campinas.

Sim, foi divulgado falha de comunicação da Polícia Militar sobre horário de funcionamento das bilheterias de visitantes, e por isso torcedores são-paulinos, já na estrada, tiveram que retornar à capital paulista.

Claro que isso trouxe reflexo no borderô, pois mais de mil torcedores são-paulinos não puderam assistir à partida. Assim, na dependência destinada aos visitantes foi contabilizado venda de apenas 408 ingressos, conforme divulgação do boletim financeiro do site da CBF.

Mais de 40 ônibus de sãopaulinos ficaram presos na estrada e não entraram no Majestoso
Mais de 40 ônibus de sãopaulinos ficaram presos na estrada e não entraram no Majestoso
De qualquer forma, a amostragem é que o torcedor pontepretano comum, que escolhe o jogo que melhor lhe convier para assistir no Majestoso, não aprovou totalmente o aumento de preço de ingresso para R$ 100.

SÓCIO-TORCEDOR

O argumento das vantagens à adesão ao programa sócio-torcedor (Camisa Dez) ainda não foi suficiente para convencer o grosso da torcida pontepretana, embora a mensalidade tenha custo reduzido de R$ 39,90.

O público registrado no jogo da Ponte foi o segundo pior da rodada, sobrepujando apenas aquele verificado entre Avaí e Sport, no Estádio da Ressacada, em Florianópolis, com 4.646.

Decepção também foi o público de 8.877 para Botafogo e Flamengo em Volta Redonda (RJ), na manhã-tarde do domingo.

Gente ‘saindo pelo ladrão’ foi visto no clássico Corinthians x Santos, na noite de sábado, com 40.169 pagantes na Arena Itaquerão.

  • luiz felicio
    06/06/2017 17:31

    alem da equipe q não passa confiança da diretoria q pensa pequeno, ainda temos a policia militar q é totalmente contra o futebol em campinas, o q eles fizeram domingo com a torcida do s. paulo foi um absordo, assim fica muito dificil de ir ao estadio

  • Paulo Sergio
    06/06/2017 17:30

    Os parceiros Tito e Marcelo Macaco MPPL resumiram com muita propriedade o que acontece, acrescento dizendo que se nem em estádios com muito mais segurança e conforto o torcedor está indo, imagine no nosso! Carros como Brasilia, passat, opala etc. só de colecionador! No quesito estádio, já passou da hora da nossa diretoria aderir a modernidade!!

  • João da Teixeira
    06/06/2017 12:55

    Se realmente aconteceu de 40 ônibus ficarem retidos e não chegaram no Majestoso,só aí são quase 2.000 torcedores tricô-lores. E era bem por aí, viu Ari, o São Paulo vinha de duas vitórias e a torcida estava empolgada. Por que será que foram retidos na estrada, hein? Será que pararam para fazerem filantropia, será?? A Independente e a Mancha, torcidas de times que são considerados da classe média alta, estão sendo umas das mais perigosas. Em Campinas, a Fúria não fica atrás.

  • Tito
    06/06/2017 12:54

    Eu não vejo só o preço do ingresso como fator de desmotivação para o torcedor ir ao estádio. As condições dos estádios de Campinas contribui muito para que o torcedor não compareça. Não tem nenhum conforto, até as cadeiras cativa são deprimentes e os banheiros imundos. A cartolagem precisa rever conceitos, a final de contas eles administram patrimônio alheio.

  • João da Teixeira
    06/06/2017 11:37

    Tem outra coisa, Ari, o estrago que esses políticos fizeram e tão fazendo há 128 anos não é fácil. Gestores que enfiaram o Brasil no buraco ao longo desses anos todo e com mais afinco nos últimos 15 anos, deixou a população de quatro, sem lenço, sem documento, sem dinheiro no bolso. No Rio a classe média é a que mais sofre. Para o rico, qto. mais crise melhor, para o pobre, já está acostumado, tem mais "know-how","quilometragem rodada" em fazer milagre. Como ir a campo futebol?

  • Marcelo Macaco MPPL
    06/06/2017 11:36

    Ari a torcida da Ponte é muito sofrida,melhoraram o plano tc 10,tiraram as grades de segregação lá da cabeceira,graças a Deus podemos entrar e sair de novo pela porta da frente da nossa casa,,mas infelizmente a torcida não acredita mais na diretoria,sabe que a meta é fazer 47,50 pontos e depois "abandonar " o torneio,aí negociam os destaques, todos tiram o pé para não se machucar e por causa de 4 ,5 pontos a menos não disputamos um libertadores,a torcida não aguenta mais isso!!

  • João da Teixeira
    06/06/2017 08:30

    O público só irá voltar se a Ponte empolgar definitivamente é olhe lá. Se vc. não gosta de ir ao campo, imagine qtos não pensam igual a vc. Tem outra coisa, já falando em se firmar, a Ponte tem que prestar atenção porque o jogo contra o "invicto" Atlético GO é o típico jogo para acontecer a Síndrome de Robin Hood. Ontem esse time perdeu mais uma, só faltava a Ponte querer reabilitar o alquebrado, mas ainda respirando Dragão.

  • João da Teixeira
    06/06/2017 08:29

    Quem diria que os 7x1 tomado da Alemanha seria o menor dos nossos problemas. As Sedes foram escolhidas a dedo, porque a corrupção e o roubo já estavam direcionados em planejamento antecipado entre os políticos. Teve reforma de estádio que o custo ficou 1,5 vezes maior do que fazer um novo. Agora estamos tomando várias goleadas e "bolas nas costas" com as análises das contas nessas obras. Sem contas os "elefantes brancos" criados em local que nem futebol é evoluído. Vergonha!

  • João da Teixeira
    06/06/2017 08:28

    O povo tem que pressionar o STJ e TSE na punição da chapa e das pessoas de Dilma-Temer, dois salafrários que deram continuidade ao serviço do salafrário mor, Lula paz e amor...

Confiram as Postagens Anteriores:

1  2  3  4  5  6  7  8  9  10  11  12  13  14 
 

Jornalista esportivo há 40 anos. Trabalhou, como jornalista, nas emissoras de Rádio Brasil, Educadora, Central, Jequitibá e Capital (São Paulo). Nos jornais: Diário do Povo e Jornal de Domingo, ambos de Campinas, e editor de Economia e Opinião do Jornal Todo Dia, de Americana.

Fale comigo