04
OUT
Tem Seleção na sessão da tarde; teve Fred do Galo, que lembrou Alex Créu

Numa quarta-feira magra de futebol, o jeito é pincelar alguns assuntos, um deles diz respeito diretamente a você, munícipe de Campinas.

Por intermédio de compartilhamento de amigos, recebo mensagem na rede social sobre a perplexidade da vereadora Mariana Conti (Psol), relativa a aumento de impostos proposto pelo executivo campineiro, com tendência de aprovação natural através dos nobres edis da cidade, em sessão extraordinária programada para esta quinta-feira.

Nobres? Nem tanto. Dias atrás já aprovaram a criação de 99 cargos comissionados no legislativo campineiro, e apenas Mariana votou contra. Um e outro vereador deu uma escapadinha na hora da votação, pra fazer você engolir que ele não votou favoravelmente ao projeto.

SELEÇÃO BRASILEIRA

Bola? Se em horário condizente para jogos a Seleção Brasileira já não desperta o interesse de outrora, imaginem esse contra a Bolívia anunciado às cinco da tarde desta quinta-feira, no campo do adversário, pelas Eliminatórias à Copa do Mundo?

Quem vai sair mais cedo do trabalho, escola ou qualquer atribuição para assistir à partida?

Eis aí, portanto, o jogo do rádio. Quem diria que na atual conjuntura o rádio pudesse disputar audiência com a televisão pau a pau?

Jogo que vai ‘pegar fogo’ será no Estádio Bamboneira, em Buenos Aires, quando a Argentina vai recepcionar o Peru a partir das oito da noite desta quinta-feira. Boa pedida, pois os argentinos correm risco de ficar de fora da festa.

FRED, O POSTE

Quem diria que o então artilheiro Fred dos tempos de Fluminense e Seleção Brasileira fosse se transformar no atacante poste, ou seja: sem mobilidade é absorvido facilmente pelo apenas vigoroso zagueiro Edson Silva, do Londrina.

Fred, 34 anos de idade, acabou substituído por Rafael Moura por deficiência técnica.

A rigor, hoje não há diferença do futebol dele para Alex Créu (ex-Ponte Preta) e WP (Wellington Paulista). Fred difere deles apenas na conta bancária pelo alto salário que recebe no Atlético Mineiro.

A rigor, o futebol do galo mineiro faz lembrar aquilo que se tem visto no Campeonato Brasileiro da Série B: pouca criatividade, com o agravante da excessiva lentidão. Logo, sucumbiu diante do forte esquema de marcação do time paranaense.

Como foi a participação do ex-pontepretano Negueba, no Londrina?

Ciscou, ciscou e pelo menos acertou uma bela finalização, coisa que não aconteceu quando esteve em Campinas.

Após o empate sem gols, o Londrina foi mais eficiente na definição através de cobranças de pênaltis e conquistou o título da Primeira Liga de 2017.

Ainda não existem comentários.

03
OUT
Já está na hora de Ponte e Guarani cogitarem reforços para 2018

De repente o parceiro Tio Lei - mesmo sem querer - acabou pautando a coluna ao sugerir ao gerente de futebol da Ponte Preta, Gustavo Bueno, que comece a projetar reforços para a próxima temporada, visto que os clubes já começaram a se mexer.

Um senão apenas: essa atribuição de reformular o elenco pontepretano não deveria ser atribuída a Gustavo Bueno. Em circunstâncias normais ele sequer continuaria na Ponte Preta ano que vem. Todavia, como as coisas são estranhas no clube, não se surpreendam se ficar.

Na noite desta terça-feira, não resta a menor dúvida que as atenções do futebol se convergiram para o jogaço entre Paraná e Inter, na Arena da Baixada, em Curitiba, com público total de 39.414 torcedores.

Sim, quase 40 mil pessoas numa terça-feira gorda tá bom demais, em se tratando de segunda divisão.

Comecem a prestar atenção nesse treinador Matheus Costa, do Paraná, que deu cara ao time e o estruturou quer para atacar - marcando saída de bola do adversário -, quer para se defender e contra-atacar.

Ele não se envergonha de armar ferrolho quando a situação exige, como no segundo tempo diante do colorado.

Não fizesse isso, jamais sustentaria a vitória por 1 a 0, que coloca a sua equipe na segunda colocação da Série B.

Matheus Costa retranca o seu time, mas habilmente sabe usar os lados do campo para desafogo.

Inteligentemente sacou o centroavante Alemão e colocou o veloz Feijão pelo lado esquerdo para puxar contra-ataques e desafogar o time.

CRISTOVAM E MAIDANA

Do lado direito do campo já havia cantado a bola aqui - antes mesmo de o Paraná enfrentar o Guarani - que o lateral Cristovam tem uma transição ao ataque muito rápida, e é jogador tático pra triangulação com meias e atacantes que caem pelo setor.

Eis aí, portanto, um jogador que poderia ser mais bem observado pela Ponte Preta. E tem a vantagem de também defender.

Na sólida defesa do Paraná destaca-se o central Maidana, que tem o ‘bote’ certo para o desarme e raramente perde disputa pelo alto, explorando a estatura de 1,93m de altura.

E mais: é arma ofensiva na bola parada aérea. Com o gol diante do Inter, chega ao quarto nesta Série B.

De certo já estão de olho nele.

O último Maidana que se tem conhecimento na bola foi um uruguaio goleiro do Palmeiras na década de 60, basicamente reserva de Joaquim Valdir de Moraes.

ARTUR DO LONDRINA

Já que Gustavo Bueno contratou os atacantes Megueba, Lins e Maranhão, que alguém na diretoria da Ponte peça que outras pessoas observem o atacante Artur, do Londrina, em vez de caírem no canto da sereia de empresários que desembarcam boleiros sem a devida qualidade no Estádio Moisés Lucarelli.

Um dos exemplos do tal canto foi o lateral-esquerdo João Lucas, que a Ponte trouxe do Novorizontino.

Se tivessem ao menos lido a coluna, que havia antecipado antes da contratação as deficiências defensivas do atleta, provavelmente teriam evitado erro de caçapa cantada.

O caso de Artur é diferente: hábil e criativo. Descubram quem é o empresário dele e não percam tempo.

Como a Ponte não acertou uma contratação de meia nesta temporada, que avaliem Alan Mineiro, atualmente no Vila Nova (GO). Eliminando-se a propensão para uns quilinhos a mais no peso, joga mais de que qualquer meia do elenco pontepretano.

GUARANI

Como no Guarani haverá necessidade de profunda reformulação no elenco, convém continuar avaliando os atacantes de beirada do Goiás, casos de Carlos Eduardo e Michael, que têm qualidade, porém precisam ser trabalhados. E isso é possível, visto que são atletas de 21 anos.

Embora veterano, o lateral-direito Pio, do Ceará, é outra boa pedida. Tem a vantagem de pegar bem na bola para cobranças de faltas.

Do Boa Esporte também valeria apostar no meia Felipe Matheus e principalmente no atacante de velocidade Rodolfo.

  • Tito
    04/10/2017 09:44

    Esses amadores do Guarani não assistem jogos Ari, eles contratam somente os restos de fila que os empresários trazem às vésperas do campeonato. Eu gostaria mesmo é que esse conselho de amadores renunciassem. Não dá mais para aguentar tanto perna de pau e tanto sufoco de times de Z-4. Desse elenco que está aí, pelo futebolzinho, não deveria ficar ninguém. A base do Guarani é outra coisa ridícula, é dinheiro jogado fora.

« Anterior : 1 [ 2 ] : Próxima »
Confiram as Postagens Anteriores:

1  2  3  4  5  6  7  8  9  10  11  12  13  14 
 

Jornalista esportivo há 40 anos. Trabalhou, como jornalista, nas emissoras de Rádio Brasil, Educadora, Central, Jequitibá e Capital (São Paulo). Nos jornais: Diário do Povo e Jornal de Domingo, ambos de Campinas, e editor de Economia e Opinião do Jornal Todo Dia, de Americana.

Fale comigo