12
MAR
​Corinthians explora cansaço da Ponte Preta para chegar ao empate

Já atualizadas as colunas Memórias do Futebol falando do lateral-direito Cafu. Em Cadê Você o enfoque é sobre o ex-zagueiro Cidinho, do Guarani. Veja praça municipal do distrito de Sousas que passou por manutenção em Anda Campinas. E no Informacão, saiba que o consumo de carne de cachorro na Coreia do Sul está com os dias contados.

Foi um primeiro tempo da Ponte Preta, na tarde deste domingo, com cara de Ponte Preta, diante do Corinthians no empate por 1 a 1.

Foi um período de Ponte Preta aguerrida, disputando a bola a cada palmo do gramado Estádio Moisés Lucarelli, e com repertório ofensivo de encher os olhos do torcedor, ocasião em que fez um gol em cobrança de falta de Lucca, como poderia ter ampliado em outras três ocasiões: uma com o atacante Potkker em defesa difícil do goleiro Cássio, e outras duas vezes em erro de pontaria do meia Ravanelli.

Foi um primeiro tempo em que o Corinthians, bem marcado, quase não se aproximou da grande área pontepretana.

Estrategicamente a Ponte colocava em prática extrema velocidade tão logo recuperava a posse de bola ainda em seu campo ofensivo, visando na maioria das vezes o ágil Potkker, coadjuvado pelas incursões do lateral-direito Nino Paraíba.

MENOS VOLUME

Eis aí a inevitável pergunta: o que teria ocorrido para redução do volume ofensivo da Ponte Preta, e possibilidade de o Corinthians chegar ao empate durante o segundo tempo?

Inflamada pelo seu treinador interino João Brigatti, a Ponte Preta correu demais na primeira fase. Bem acima da normalidade. Logo, cadê pernas para acompanhar o mesmo ritmo a partir da metade do segundo tempo? E ainda contra um time que corria atrás do resultado.

O cansaço foi inimigo da Ponte Preta a partir da segunda metade do segundo tempo. Pior é que os jogadores que entraram na equipe, casos de Lins, Matheus Cassini e Naldo, nos lugares de Lucca, Ravanelli e Matheus Jesus, apresentaram rendimento inferior.

Matheus Jesus não só cuidava da marcação como conduzia bem a bola.

Ravanelli, afora os gols perdidos, teve participação tática importante.

Lucca havia desestabilizado o novato lateral-direito corintiano Léo Príncipe, que ingenuamente fez falta desnecessária aos 35 minutos, no gol da Ponte que contou com falha do goleiro Cássio desde a organização barreira até chegar tarde na bola.

Além disso, Clayson, que havia corrido bastante, mostrava claro sinais de cansaço posteriormente.

POSTURA DO CORINTHIANS

O quadro descrito no segundo tempo favoreceu ao Corinthians, que passou a ser mais intenso, contrastando com a proposta inicial de valorização de posse de bola, mesmo que pecando por lentidão.

Já que o cenário ofereceu mais espaços para o Corinthians atacar, ele foi letal numa das raras oportunidade que teve, aos 32 minutos, quando o experiente centroavante Jô fez a ‘parede’ e propiciou finalização certeira do zagueiro Léo Santos, que havia substituído Balbuena.

Naquela etapa o treinador corintiano não titubeou em sacar o decepcionante Jadson para a entrada de Marlone. Percebeu a inutilidade de Léo Jabá e trocou pelo experiente Kazin, além da sorte com a entrada de Léo Santos.

Apesar de ter diminuído a intensidade, a Ponte Preta ainda teve chances para marcar no segundo tempo em defesa de Cássio após chute de Lucca e cabeçada pra fora de Potkker.

Assim, o resultado acabou melhor para o Corinthians que poupou alguns titulares e trouxe a Campinas um time misto.

Decepcionante foi o público de apenas 10.084 pagantes, considerando-se que cerca de 40% era de torcedores corintianos.

  • TIO LEI
    14/03/2017 13:41

    Dois pontos: 1) SE, eu disse SE corintiano sentou-se em outras dependências, que não seja a qual lhes fora destinada, deve ter sido divertido ver suas caras, e alguns ainda tendo que "vibrar" no gol PONTE PRETANO, e tendo que ficar "caladinho" no gol corintiano. 2) Diferentemente "daquele outro time", em NOSSOS JOGOS dentro do NOSSO ESTADIO, JAMAIS seremos em MENOR NUMERO que nossos adversários. Agora, que essa pseudo diretoria esta afastando o PONTE PRETANO ah, isso está.

  • DE ARI PARA TIO LEI (1)
    14/03/2017 00:07

    Tio Lei, corrigiram-me sobre o total de público pagante. Como não observei se repórteres da emissora de televisão que eu assistia à partida informaram o público do jogo, tive que recorrer a um site, provavelmente com a informação errônea. Perdoem-me, portanto...

  • DE ARI PARA TIO LEI (2)
    14/03/2017 00:04

    ... Quanto a totalidade de torcedores corintianos no estádio, fomos informado por emissora de rádio local que os ingressos para a citada torcida estavam esgotados na sexta-feira. Então, considerando-se aqueles que ocuparam a cabeceira do gol da Fepasa e outros nas demais dependências sem se manifestar, projetei cerca de 40% de corintianos no estádio...

  • DE ARI PARA TIO LEI (3)
    14/03/2017 00:04

    ... Isso não invalida a hipótese de que mais pontepretanos estivessem presentes no evento, visto que os protagonistas sempre atraíram bom público e o preço do ingresso estava bem acessível. É fato, Tio Lei, que por razões sobejamente conhecidas a torcida da Ponte se distanciou do time. Eis aí a oportunidade para reconciliação, apesar dos pesares.

  • TIO LEI - P/ ARI
    13/03/2017 23:59

    Sim meu caro. Na GRANDE MAIORIA das vezez, concordo com suas análises, pois no quesito "bola rolando" tiro o chapéu para o Senhor, mas 40% de corintianos, aí o senhor pegou pesado, né? KKKKKKK...Deixei de ler as postagens do eduardo, e o senhor me vem com essa?KKKKKK

  • DE ARI PARA TIO LEI (1)
    13/03/2017 21:46

    Prezado Tio Lei, cabe-me informá-lo pela enésima vez que o meu time do coração chama-se Jornalismo Futebol Clube. E mais: só consegue comentar futebol com detalhes não observados pela maioria quem se concentra exclusivamente para constatar o vaivém da partida...

  • DE ARI PARA TIO LEI (2)
    13/03/2017 21:44

    ... E mais, meu caro Tio Lei: jornalista ou radialista que conhece bem à fundo os meados e submundo do futebol, racionalmente desiste da paixão clubística. Fiquemos, então, com os encantos de bola rolando. E por aqui vou manter a imortalizada filosofia do ‘é, é; não é, não é.

  • TIO LEI
    13/03/2017 21:40

    O que é isso Ari. Tudo bem você deixar aflorar sua apaixonante tendencia bugrina, mas, pagar mico, para "alegrar" bugrinos? Que coisa heim? KKKKKKK

  • João da Teixeira
    13/03/2017 21:31

    Brigatti, menos! Que história é essa de passar o trator no novorizontino, sábado. Precaução e caldo de galinha não faz mal a ninguém. O time tecnicamente não é tudo isso. Devagar com o andor que a Macaca é ainda de barro. ...

  • TIO LEI
    13/03/2017 19:38

    Muito embora tenha conhecido o Brigatti quando ainda garoto, la no S.Bernardo, próximo ao G.E.José M. Matosinho, grandes amigos ali naquela área: Tatão, Jovinha, Amauri (outro bom goleiro), Wilson Bertucci, entre outros tantos. Em que pese os dois resultados por ele obtidos, ainda estamos no aguardo do tão prometido TREINADOR. Mas já se vão duas semanas, e o pessoal não está nem aí. Acomodam-se como sempre. Até quando???

  • Marcelo
    13/03/2017 19:37

    Caro Ari, gostaria de comentar sobre o numero de torcedores... Segundo o borderô foram colocados a disposição 11308 entradas e foram vendidas ( ou utilizadas) 10840 e não 10084... desse total a torcida corintiana comprou 2829 entradas o que corresponde a 26% do publico e não 40%... portanto havia 8011 torcedores pontepretanos... É só acessar o borderô no site da FPF para ver os números... Abraço.

  • Antonio Carlos
    13/03/2017 19:36

    Tem que efetivar o Brigatti. O time melhorou da água para o vinho. Não podemos perder está oportunidade, já deu para perceber em apenas dois jogos. A tendência é melhorar ainda mais.

  • MARCIAO
    13/03/2017 14:11

    O Sr. Claysson fez gracinha de novo e errou um passe que originou o gol do Corinthians .. Tá difícil de aguentar esse fulano !!

  • TIO LEI (1)
    12/03/2017 23:36

    Dava para perceber que o ritmo imprimido na etapa inicia, não seria possível mante-lo até o final, e isso foi primordial para o recuo excessivo na segunda etapa. Deu para perceber que o FM NÃO estava mesmo condicionado para comandar a equipe. Bastou uma nova mentalidade, e pimba, eis uma nova equipe, com uma nova mentalidade de jogo., e percebe-se sensível melhora. Mas claro está que nossos problemas não se resumem simplesmente ao comandante técnico, vai mais alem...

  • TIO LEI (2)
    12/03/2017 23:36

    ...O Brigatti comprovou isso. Agora, apesar de o futebol ser "uma caixinha de surpresas", esse elenco não nos da muitas esperanças futuras. Um detalhe negativo que me chamou muito a atenção, bolas alçadas em nossa área, foi um Deus nos acuda. Apesar de ter se saído muito bem, o Brigatti,como ele mesmo disse, ainda não esta no "ponto". Precisamos de um técnico de VERDADE, para já ir definindo um ELENCO em melhores condições técnicas para as disputas do BRASILEIRÃO.

« Anterior : [ 1 ] 2 : Próxima »
12
MAR
​Vitória do Guarani em Votuporanga conta com acertos do treinador Maurício Barbieri

Embora longe, muito longe de ter mostrado progresso consistente para objetivar classificação ao quadrangular do Campeonato Paulista da Série A2, o Guarani fez por merecer a vitória por 1 a 0 sobre o Votuporanga na manhã deste domingo, na cidade de Votuporanga.

Foi um jogo fraco, porém controlado pelo Guarani durante o segundo tempo, principalmente depois que o treinador Maurício Barbieri mexeu corretamente, sacando os lentos Marcinho e Fumagalli para colocar Lorran e Bryan Samudio, respectivamente.

O Guarani teve três reais oportunidades para marcar, e ‘guardou’ uma delas através do centroavante Eliandro aos 40 minutos do segundo tempo, em jogada começada por Lorran pela esquerda, finalização de Samudio, e aproveitamento em rebote do goleiro Vitor.

O Votuporanguense passou o jogo inteiro só cruzando bola à área bugrina, exceto em enfiada para Thiago Miracema, que acertou a trave direita do goleiro Luís Henrique.

PÊNALTI

Agora isso, de chance para o Votuporanguense apenas o pênalti duvidoso assinalado em disputa de bola do lateral-esquerdo Gilton e o zagueiro Paulo Henrique, cobrado pelo meia Paulo Josué e defendido pelo goleiro bugrino aos 32 minutos do segundo tempo.

A arrumação tática defensiva do Guarani foi aprovada, apesar das limitações técnica do adversário.

Os frequentes recuos de Renato Henrique e Marcinho, posicionados inicialmente nas beiradas do campo pelos lados direito e esquerdo respectivamente, ajudando na marcação, evitou sobrecarga aos volantes Auremir e Evandro.

De posse de bola, o problema inicial do Guarani era a irritante lentidão à transição ao ataque, com excesso de passes sem objetividade na defesa.

Também faltava contundência para penetração no sistema de marcação adversário. Com isso, o time bugrinos se resumia ofensivamente a lampejos, um deles no desdobramento de cobrança de falta do meia Fumagalli, quando Lenon acertou chute forte bem defendido pelo goleiro Vitor.

Igualmente o goleiro salvou o seu time em bola recuada de cabeça pelo zagueiro Paulo Henrique, que tinha endereço certo.

Como forçosamente o Guarani já havia queimado alteração com a saída do lateral-esquerdo Dênis Neves - decorrente de mal-estar -, para entrada de Gilton aos 17 minutos do primeiro tempo, o treinador Mauricio Barbieri foi cauteloso em proceder novas mudanças ainda no intervalo, para não esgotar o limite permitido.

MARCINHO E LORRAN

Provavelmente por isso tenha demorado para sacar Marcinho - figura decorativa no lado esquerdo do ataque -, só trocando-o por Lorran aos 24 minutos.

Ali estava o mapa da mina sobre o inseguro e fraco Douglas, improvisado da zaga central à lateral-direita. Bastava um atacante veloz no espaço para criar embaraços, período suficiente para que Lorran trabalhasse algumas jogadas, inclusive no lance do gol.

Por orientação técnica ou intuição natural de jogador, Renato Henrique já ocupava mais os espaços por dentro antes do encerramento do primeiro tempo, exatamente para abastecer a ofensiva, coisa que Fumagalli, sem pernas, já não consegue fazer.

Com isso, Lenon passou a ocupar melhor o corredor do lado direito, até que no início do segundo tempo prudentemente o treinador Ito Roque, do Votuporanguense, mudou o atacante Nathan de lado - da direita à esquerda -, para, em última análise, evitar os avanços de Lenon.

Cabe esclarecer que a concentração do jogo ofensivo do Votuporanguense durante o primeiro tempo era pela direita, com Nathan, sem consequência grave.

FUMAGALLI

Intimamente Mauricio Barbieri percebeu a inutilidade de Fumagalli no jogo, mas o carisma do jogador com torcida e imprensa o fez postergar a saída dele para a entrada de Bryan Samudio aos 35 minutos. E Bryan se movimentou em todos os espaços do ataque, enquanto Renato Henrique manteve a postura de organizador.

Assim, com maior volume de jogo, bastava ao Guarani aproveitar pelo menos uma de algumas oportunidades que certamente criaria, como criou. Foi assim que ganhou o jogo.

SANGUE NOVO

Ficou claro que para oxigenar o time bugrino nas próximas rodadas, Barbieri precisa de coragem para enfrentar torcida e segmentos da imprensa, a fim de escalar jogadores de mais mobilidade, sacando Marcinho e Fumagalli.

Afora isso, tem que exigir mais velocidade na transição ao ataque, exatamente para que não propicie facilidade de recomposição ao adversário.

De prático e positivo ainda no time bugrino, foi o crescimento de produção do volante Evandro, que provavelmente tenha feito a sua melhor partida com a camisa do Guarani na temporada.

  • Eugenio
    14/03/2017 09:30

    Caro Tio Lei, ou vc é Bugrino enrustido ou tem muita admiração pelo unico time Campeão do interior, de qquer maneira obrigado ! Vc que vem comentar aki, eu não me importo com o time virgem, nao vejo e nao comento jogos da pinguela, ja sei o fim do filme. E vc tbm nao sabe ler pois nao mencionei nenhum outro time em meus comentarios. Pf se limite ao seu time insignificante, dispensamos seus comentarios totalmente sem importancia.

  • TIO LEI
    13/03/2017 21:31

    ???????????..o que tem a ver entre "alhos e bugalhos"????? Nada não é? E que tem a ver sua resposta em relação a minha postagem? Eu apenas mencionei a galeada que voces deram na Votu, e que a turminha dos 3% sequer apareceu aqui para comentar. Aliás VOCÊ mostrou ser MISTO, pois EM PRIMEIRO LUGAR queria falar do corintians, não? Já deu para perceber, para quem VOCÊ ESTÁ TORCENDO neste Paulistão,né? MISTÃO.

  • Eugenio
    13/03/2017 19:36

    Tio Lei, o risco do time virgem ser campeao é zero, disso nos Bugrinos nao nos preocupamos. Apesar de vcs estarem numa situacao muito melhor, sempre serao meros co-adjuvantes. E parabens por serem a quinta força do estado ! Saiu até no NY Times !! Kkkkkk

  • Eugenio
    13/03/2017 19:36

    Caro Ari, o jogo mostrou q da pra subir, bastam alguns ajustes. Nao pela qualidade do time e mais pelo baixo nivel dos adversarios. Na verdade, camp. estaduais nao importam muito, o q vale mesmo é fazer uma boa campanha na Série B, tentar uma vaga na Copa do Brasil e conseguir bons patrocinios.

  • Profeta da Tribo
    13/03/2017 19:35

    Ari, sua análise foi primorosa. Pondero: 1) Evandro está jogando muito bem. 2) Fumagalli precisa de um chá de banco. Está muito mal, até nas bolas paradas. Ninguém pode ser intocável em um time de futebol. 3) Lenon é bastante limitado como lateral. 4) Lorran merece mais oportunidades na ponta esquerda. Jogou muito bem e participou de forma decisiva na jogada do gol. 5) Eliandro está fazendo a diferença.

  • DE ARI PARA EUGENIO
    13/03/2017 14:26

    Prezado Eugenio, faz parte da regra do BLOG que em dias que jogam os dois clubes de Campinas, o bugrinos deve primeiramente comentar sobre o seu time e depois do rival. Isso vale também para os pontepretanos. Portanto, embora a sua mensagem não tenha sido ofensiva, comente primeiro a vitória do Guarani sobre o Votuporanguense.

  • marcelo
    13/03/2017 14:09

    Por acaso o Bugre subiu da C, e somente por ele subirá pra A1, toca muita bola pra trás.

  • TIO LEI
    13/03/2017 09:58

    Quando digo que são poucos os VERDADEIROS torcedores do gfc que aqui frequentam, a turminha que se diz fazer parte dos 3% fica zangada. Pois é só ver. Jogaram no horário do desafio ao Galo, CONSEGUIRAM golear a Votu. e cadê eles? Simples. Eles esperavam uma vitória do corintians para poderem vir aqui para falar, de quem? Claro, da NOSSA PONTE PRETA. Depois não querem assumir que são MISTOS. Devagar vamos descobrir quem eles querem que seja campeão PAULISTA desta temporada.

  • Denilton GFC
    12/03/2017 19:46

    Caro Ari, concordo em gênero, número e grau com vc. Deixa o FUMAGALLI para o segundo tempo ou quando precisa administrar os jogos em casa. No Brinco a técnica do Fumagalli pode ajudar, porém as 10 da manha o ex jogador em atividade não produz nada. SOU BUGRINO DA PELE ATE O OSSO e prefiro o FUMAGOL em partes das partidas do que se arrastando em campo. EVANDRO vem fazendo um belo campeonato, melhor em campo em todos os jogos, muito regular, TREINEIRO TEM QUE OXIGENAR OA MEIUCA.

Confiram as Postagens Anteriores:

1  2  3  4  5  6  7  8  9  10  11  12  13  14 
 

Jornalista esportivo há 40 anos. Trabalhou, como jornalista, nas emissoras de Rádio Brasil, Educadora, Central, Jequitibá e Capital (São Paulo). Nos jornais: Diário do Povo e Jornal de Domingo, ambos de Campinas, e editor de Economia e Opinião do Jornal Todo Dia, de Americana.

Fale comigo